terça-feira, 23 de maio de 2017

Pr. Marcos Granconato: João Calvino - História e Pensamento

Leia Mais ►

domingo, 14 de maio de 2017

Jesus presente no culto

“E eis que estou convosco todos os dias até à consumação dos séculos.”        
Mateus 28:20b
Há uma semana escrevi sobre a Reforma do culto. Afirmei que muitas igrejas precisam reformar vários aspectos dos seus cultos inclusive a reverência. Que os cultos dessas comunidades ditas “evangélicas” são, na sua grande maioria, centrados em homens e num materialismo absurdo, onde pensam apenas em bens, no aqui e agora, motivados por interesse e não por devoção. Também abordei a questão do sincretismo religioso, ou seja, utilizar elementos de outras religiões.
Hoje quero tratar da presença de Cristo por meio do Espírito Santo (Mt 18.19) no culto. O Espírito Santo representa e assume a ausência física de Cristo, assim pois Ele faz todas as coisas que Cristo fez pelos seus discípulos (Jo16:13-15). Por isso Cristo está agora em toda parte conosco.
“E eis que estou convosco todos os dias até à consumação dos séculos.” Mateus 28:20b
A igreja se reúne em nome de Cristo e é alimentada pelo próprio Pão da Vida que também dá a vida eterna. (Jo 6:51-58). Mas a igreja que recebe descanso em Cristo, com sua presença majestosa recebe a presença daquele que tem o poder para salvar.
Assim, a igreja não manipula a presença de Jesus dando ordens a Ele e exigindo Sua presença como se as ofertas e os dízimos fossem para pagar o “cachê” do Senhor, comparando-o a um profissional de entretenimento, um bajulador para alimentar o ego alheio, um gênio de uma lâmpada mágica que concede desejos, ou ainda vê-lo como se nós fossemos patrões e Ele, o Rei dos reis, fosse nosso escravo. A presença de Cristo é uma ação livre do próprio Cristo. Devemos compreender que a igreja deve implorar pela presença do Senhor.
Por isso a presença do nosso Senhor Jesus não é manipulada pelo ministro da palavra ou por qualquer outro que dirige ou que conduz o louvor em certo momento do culto. Até porque ninguém tem poder para tal prática. Mas algumas pessoas acham que tem esse poder e agem como se pudessem falar para o Senhor desta maneira arrogante:
– Agora pode entrar Jesus, é sua vez, você é obrigado a dar o que eu quero, já ofertei!
Não é assim. A presença de Jesus é maravilhosa, mas não uma ação realizada de forma mecânica. A presença de Jesus é oriunda de Sua maravilhosa graça.
Dessa forma, o culto da igreja é verdadeiro porque Jesus Cristo está presente, como Senhor soberano no meio dos que se reúnem em Seu nome. (J.J von Allmen, 2006). Mas é importante dizer que o fato de não controlarmos a presença de Jesus, não é o mesmo que afirmar que o Senhor não irá visitar Sua Igreja, como observa o Dr. von Allmen.
É importante enfatizar que a convicção da presença de Cristo no culto é produzida pela fé, assim como adoração cristã não é possível sem ela (fé). É pela fé que a igreja está segura da presença sublime do ressurreto nos cultos prestados a Ele próprio. Além disso, o cristão só põe sua fé na graça excelsade Jesus. E é mediante essa fé e no favor imerecido que oramos na certeza de que somos ouvidos, e é sabido que em toda história da igreja a oração era indispensável, não só para pessoalidade do cristão, mas no momento de reunião solene, ou seja, de culto litúrgico.
“III. A oração com ações de graças, sendo uma parte especial do culto religioso é por Deus exigida de todos os homens; e, para que seja aceita, deve ser feita em o nome do Filho, pelo auxílio do seu Espírito, segundo a sua vontade, e isto com inteligência, reverência, humildade, fervor, fé, amor e perseverança. Se for vocal, deve ser proferida em uma língua conhecida dos circunstantes.” Confissão de Fé de Westminster capítulo 21 do culto religioso e do domingo.
Por certo que o momento de culto é o encontro de Deus com o seu povo. O culto religioso deve ser prestado a Deus Pai, Filho e o Espírito Santo; não deve ser prestado nem aos anjos, nem aos santos, nem a qualquer outra criatura; deve ser prestado a Deus pela mediação de Cristo.
Dessa forma, Deus com sua glória nos livra da cegueira espiritual na qual nos encontramos e assim o culto cristão deve ser prestado a Trindade, Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Por isso devemos com reverência, amor e humildade entoar louvores a Deus. Porque tudo foi dado ao Filho, as manifestações de amor, da graça e da vontade do Pai, tudo o que propusera desde a eternidade e tudo o que fora necessário de seu poder e bondade para trazer seus eleitos à glória eterna foram dados a Jesus Cristo, e é o Espírito Santo que nos revela tudo que é de Cristo e devem ser mostradas aos cristãos. Porque:
“...eis que estou convosco todos os dias até à consumação dos séculos.”                                 
Mateus 28:20b
Soli Deo Gloria

Por: Georgington de Souza Ribeiro
Revisão: Thalyta Priswa
Leia Mais ►

quinta-feira, 11 de maio de 2017

Ministérios Fracassados (documentário)

Leia Mais ►

terça-feira, 9 de maio de 2017

De Jesus pode fazer piadas, né?

O deboche e o escárnio para com o cristianismo protagonizado por alguns comediantes ultrapassa o bom senso. Mediante piadas desrespeitosas, cujo conteúdo afrontam a fé de milhões cristãos, os protagonistas de algumas companhias de comédia, tem nos últimos tempos vilipendiado e ridicularizado a forma de pensar dos cristãos. 

Sem a menor sombra de dúvidas a forma com que os "inteligentinhos" tem plantão tem lidado com a fé alheia deixa indignado qualquer um.

Luiz Filipe Pondé com brilhantismo de sempres escreveu um texto para a Folha de São Paulo sobre estes "inteligentinhos" o qual reproduzo integralmente abaixo:
Vale a pena leitura:
Renato Vargens

Luiz Felipe Pondé, na Folha de S.Paulo
Tem muita gente com medo dos evangélicos. Acho que deve ser trauma de infância. Talvez essa gente tenha sofrido na escola bullying de algum evangélico mais forte ou de alguma evangélica mais bonita.

A tentativa de criar uma lei multando quem fizesse piada com ícones religiosos (leia-se Jesus) deixou os inteligentinhos com medinho.

O assunto é sério. Primeiro, deixo claro que sou contra essa lei. E mais: sou contra toda e qualquer forma de proibição sobre o humor. Mas aqui é que a coisa pega. Os inteligentinhos só defendem a liberdade de expressão no que interessa a eles. Por isso, quando reclamam contra essa lei absurda, soa “fake”. Vou explicar o porquê de soar “fake”.

Óbvio: a falha nos inteligentinhos não é intelectual, mas ética. Sócrates já nos ensinou que o problema do conhecimento é, antes de tudo, ético. Para ele, saber é descobrir a própria ignorância. Quanto mais sei, mas sei que nada sei. É a atitude ética que define o sujeito do conhecimento na maiêutica socrática. Mas voltemos a coisas mais mundanas.
Lembremos o que muitos inteligentinhos corretinhos falaram quando aconteceu a tragédia do jornal francês “Charlie Hebdo” em janeiro.

Na época, os bonitinhos disseram coisas como: os cartunistas não respeitaram “o outro”. Adoro excepcionalmente essa coisa do “outro”. Disseram também coisas como: só se pode fazer piadas com opressores. Ao longo dos anos fui percebendo que uma das maiores falhas de caráter hoje em dia, no que se refere ao debate público, é gente que sempre coloca essa coisa de “oprimidos x opressores” quando vai analisar o mundo. Gente séria não usa isso como argumento. Em 200 anos rirão desse argumento. Outros disseram que a função da mídia é proporcionar a vida harmoniosa entre as diferentes culturas.

Mas, se isso for a missão da mídia (eu não concordo, acho essa ideia uma forma de censura sem vergonha travestida de bom mocismo), então por que proibir piadas com Jesus estaria errado? Por que não se deve “provocar” os muçulmanos, mas pode-se “provocar” os cristãos?

Quer dizer que piadas com Jesus tá valendo, mas com o profeta não? Claro, o cristianismo é o “opressor” e blablablá. Eis a evidência máxima da incoerência de quem critica piadas com o islamismo, mas acha que tudo bem piadas com o cristianismo.
Minha hipótese é mais embaixo: bonitinhos são normalmente medrosos e, por isso, têm medo (com uma certa razão) do islamismo, porque essa moçada não vota no PSOL e não “cobra multa” para quem ofender o profeta.

Há mais um problema a ser analisado nesse assunto. Há anos, inclusive entre nós no Brasil, criou-se a moda de processar humoristas e proibir piadas com X e Y (não vou citar grupos porque a maré não está para peixe).

Os evangélicos apenas estão aprendendo a se mover no mundinho da censura travestida de “direitos” e “dignidades”. Perceberam que há uma tendência puritana no mundo e estão querendo pegar carona no papinho dos “direitos a dignidade”.

Quem é contra piadas com X e Y ou quem acha que devemos respeitar os ícones islâmicos não tem moral para se posicionar contra qualquer tentativa de proibir piadas com Jesus. Pelo contrário, deveria ser completamente a favor de qualquer lei que proíba piadas com Jesus.

Mas aqui surge a última questão: o fato é que os bonitinhos acham legal falar mal do cristianismo porque se movem por meio de argumentos do tipo “piadas só com os opressores”, e, com isso, garantem seu mercado particular de piadas, mas complica o mercado dos outros.

“Follow the money” sempre é uma boa ideia para descobrir motivações escondidas. Principalmente quando tratamos com gente que trabalha “contra a opressão”.
Preste atenção numa coisa: quando alguém disser que faz alguma coisa por alguma razão superior a dinheiro, saiba que ela faz o que faz, antes de tudo, por dinheiro. Mesmo que seja apenas para evitar que você ganhe dinheiro.

Acho uma lástima que a arte, a filosofia e as ciências humanas resolveram “construir um mundo melhor”. A hipocrisia, então, se oferece como virtude. Todos perdemos.

Autor: Renato Vargens; Luiz Felipe Pondé
Fonte: Blog Renato Vargens
Leia Mais ►

Os evangélicos e a pedofilia

A pedofilia é um dos mais graves problemas em nossa sociedade. Lamentavelmente, ao contrário do que gostaríamos, nossas igrejas estão repletas de relatos de crianças  e adolescentes  que sofreram ou sofrem com a pedofilia.

Infelizmente não são poucas as crianças que vivem uma vida de horrores, sofrendo as agruras de uma relação despótica, ditatorial e pervertida por parte dos seus pais e familiares.  Segundo dados do site de combate à pedofilia Censura, o país amarga o primeiro lugar no ranking de pornografia infantil. Fora da web, centenas de casos de abuso sexual infantil podem estar acontecendo onde menos se espera. E para quem pensava que a igreja nunca sofreria desse mal, se enganou.

Pois é, infelizmente não são poucos aqueles que sofrem abusos sexuais tendo suas vidas marcadas para sempre. Quantos por exemplo não vivem um "inferno" na alma em vista de um abuso sofrido? Quantos não carregam no peito a dor de terem sido vítimas de uma ataque pedófilo?
Isto posto, penso não dá para ficar calado diante um absurdo deste quilate.  Sem a menor sombra de dúvidas a Igreja de Cristo não pode pode se omitir diante de tamanho descalabro. Ao contrário de alguns, acredito  piamente que aqueles que acobertam os que  cometem atos de pedofilia pecam contra a Santidade de Deus, além é claro de consentir  de forma velada, com a dor daquele que foi violentado sexualmente. Ademais, na minha perspectiva, penso que a pedofilia é um dos crimes mais hediondos que alguém pode cometer e que aqueles que cometem essa aberração precisam ser presos e punidos com o rigor da lei. 
Pense nisso!

Autor: Renato Vargens

Leia Mais ►
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...