domingo, 13 de outubro de 2013

Série: Doutrinas da Graça [ 8/15 ]

Em Adão todos pecaram (2)
________________________
Nós nascemos no pecado


Por John Piper. © Desiring God. Websitedesiringgod.org 
Tradução e Edição: JvDaP, blog Para sua Edificação
A. W. Pink – O Caso de Adão
Em Adão, então, cada um de nós estava. Como o representante da raça humana, o primeiro homem agiu. Adão foi criado com responsabilidade plena e intacta; intacta porque não havia nenhuma natureza má nele; e como estávamos todos “em Adão”, segue-se necessariamente que todos nós, originalmente, fomos também dotados de uma responsabilidade plena e intacta. Portanto, no Éden, não foi meramente a responsabilidade de Adão como uma única pessoa que foi testada, mas sim a Responsabilidade Humana, a Responsabilidade da Raça, como um todo e em parte, que estava sob provação.
Webster define responsabilidade primeiro como “sujeito a prestar contas”; segundo como “capaz de cumprir uma obrigação”. Talvez o significado e o escopo do termo responsabilidade poderia ser expresso e resumido na palavra dever. Para com Deus, responsabilidade diz respeito ao que é devido ao Criador da parte da criatura, estando sob obrigações morais de fazê-lo.
À luz da definição acima, é uma vez mais aparente que responsabilidade é algo que deve ser colocado sob provação. E como um fato, isto é, como aprendemos do Registro Inspirado, é exatamente isso o que ocorreu no Éden. Adão foi colocado sob provação. O teste consistia de obediência à ordem do seu Criador. Ele foi proibido de comer o fruto de certa árvore. Mas logo aqui uma dificuldade muito formidável nos confronta. Do ponto de vida de Deus, o resultado da provação de Adão não foi deixado na incerteza. Antes de ele formá-lo do pó da terra e soprar em suas narinas o sopro de vida, Deus sabia exatamente como o teste determinado terminaria. Com essa declaração todo leitor cristão deve estar de acordo, pois negá-la é negar a presciência de Deus e negar sua onisciência, e isso é repudiar um dos atributos fundamentais da Divindade. Mas devemos ir mais adiante: não somente Deus tinha um pré-conhecimento perfeito do resultado do teste de Adão, não somente seu olho onisciente tinha visto Adão comendo do fruto proibido, mas ele decretou de antemão que ele deveria fazer isso. Isso é evidente não somente a partir do fato geral que nada acontece salvo aquilo que o Criador e Governante do Universo propôs eternamente, mas também a partir da declaração expressa da Escritura que Cristo como um Cordeiro “foi conhecido, ainda antes da fundação do mundo” (1Pe. 1:20).Se, então, Deus tinha pré-ordenado antes da fundação do mundo que Cristo deveria, no devido tempo, ser oferecido com um Sacrifício pelo pecado, então é inequivocamente evidente que Deus também pré-ordenou que o pecado deveria entrar no mundo, e se foi assim, que Adão deveria transgredir e cair. Em plena harmonia com isso, o próprio Deus colocou no Éden a árvore do conhecimento do bem e do mal, e também permitiu que a Serpente entrasse e enganasse a Eva.
Aqui, então, está a dificuldade: Se Deus decretou eternamente que Adão deveria comer da árvore, como ele poderia ser considerado responsável pelo ato?[...]

Por A.W. Pink.
Este é um excerto do artigo: O Caso de Adão, extraído do website: monergismo.com
Tradução: Felipe Sabino de Araújo Neto. Website: monergismo.com

___________________________

John Piper – Deus é Soberano sobre a Queda
Veja estes dois vídeos já postados aqui:
Fonte: Voltemos Ao Evangelho
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...