domingo, 22 de dezembro de 2013

O Autor do Pecado

Apologética é fácil, mas ela é freqüentemente dificultada por tradições anti-bíblicas e suposições irracionais. 
Quando cristãos reformados são questionados sobre se Deus é o “autor do pecado”, eles são muito rápidos em dizer, “Não, Deus não é o autor do pecado”, e então eles se torcem, se viram e se contorcem no chão, tentando dar ao homem algum poder de “auto-determinação” (e.g. Hodge, Dabney, Shedd, etc.), algum tipo de liberdade que torne o homem culpado (mesmo quando não há nenhuma relação estabelecida entre liberdade e culpabilidade), e, todavia, ainda deixar Deus com soberania total. 
Por outro lado, quando alguns alegam que minha visão da soberania divina faz de Deus o autor do pecado, minha primeira reação tende a ser, “E daí?”. Cristãos que discordam de mim cantarolam estupidamente, “Mas ele faz de Deus o autor do pecado, ele faz de Deus o autor do pecado...”. Contudo, uma descrição não se eleva a um argumento ou objeção, e eu nunca me deparei com uma explicação nem sequer meio-decente do que há de errado em Deus ser o autor do pecado em nenhuma obra teológica ou filosófica, escrita por qualquer um, de qualquer perspectiva. Seja Deus o autor do pecado ou não, não há nenhum problema bíblico ou racional em Ele ser o autor do pecado. 
Para isto ser um problema, ele deve tornar algum ponto do Cristianismo falso, ou contradizer alguma passagem da Escritura. Mas se Deus é o autor do pecado, como isto faz o Cristianismo falso? Alguém deve construir um argumento mostrando isto citando premissas estabelecidas que necessariamente levem à conclusão de que o Cristianismo seria falso se Deus for o autor do pecado. Qual é este argumento? E qual passagem da Escritura ele contradiz? Você pode citar a passagem que quiser, mas você terá que mostrar que ela necessariamente se aplica à questão e que ela torna impossível Deus ser o autor do pecado. Onde está esta passagem na Escritura? 
Entre as muitas respostas falaciosas está o apelo à Tiago 1:13. Usar este verso para negar que Deus é o autor do pecado é um dos maus usos da Escritura sobre os quais eu adverti no post anterior do meu blog, e em muitas outras ocasiões. Ela não é tão escandalosa como o abuso que Avanzini faz de Isaías, mas, todavia, é um mau uso do verso, e no sentido de que este mau uso é muito mais popular e influente, ele tem sido um erro muito mais danoso. 
Considere o contexto. Tiago está discutindo o desenvolvimento prático da fé cristã em sua carta, e assim, ele freqüentemente enfatiza a responsabilidade direta do cristão, e de uma perspectiva cristã imediata. Tiago está apontando que o cristão deve considerar e agir em suas lutas como um cristão; ele não está tratando com metafísica. Em outras palavras, ele está tratando seus assuntos do ponto de vista de um cristão com relação às suas considerações e responsabilidades imediatas, e não com relação à princípios metafísicos mais amplos. 
Contudo, quando estamos discutindo a soberania divina vs. a liberdade humana, causa e efeito, etc., nós estamos tratando de fato com metafísica. Certamente, as conclusões alcançadas neste nível carregam implicações necessárias para a vida prática, e o que a Bíblia ensina sobre metafísica e vida prática é completamente consistente uma com a outra; todavia, é verdade que enquanto a discussão permanecer num nível metafísico, o ponto de referência será diferente, de forma que alguém deve ser cuidadoso para não inferir invalidamente um princípio metafísico de um verso sobre instrução prática. 
Com isto em mente, leia a passagem novamente. Ela não afirma ou nega que Deus seja o autor do pecado — ela não aborda o assunto de forma alguma, mas sua preocupação é completamente diferente. Ela apenas te diz que Deus não é o tentador, o que é totalmente diferente de dizer que Deus não é o autor do pecado. 
Isto é, se Deus diretamente te faz pecar, isto O faz o “autor” do pecado (pelo menos no sentido que as pessoas freqüentemente usam a expressão), mas o “pecador” ou “praticante-do-erro” ainda é você. Visto que o pecado é a transgressão da lei divina, para Deus ser um pecador ou praticante-do-erro neste caso, Ele deve decretar uma lei moral que proíba a Si mesmo de ser o autor do pecado, e então, quando Ele agir como o autor do pecado de qualquer jeito, Ele se torna um pecador ou praticante-do-erro. 
Mas a menos que isto aconteça, Deus ser o autor do pecado não O faz um pecador ou praticante-do-erro. Os termos “autor”, “pecador”, “praticante-do-erro” e “tentador” são relativamente precisos — pelo menos precisos o suficiente para serem distinguidos uns dos outros, e o fato de Deus ser o “autor” do pecado não diz nada se Ele é também um “pecador”, “praticante-do-erro” ou um “tentador”. E alguém não ser um praticante-do-erro significa, por definição, que Ele nãofaz nada errado. Portanto, mesmo que Deus seja o autor do pecado, não se segue automaticamente que haja algo de errado nisso, ou que Ele seja um praticante-do-erro. 
Certamente, ser “autor” do pecado implica um controle muito maior sobre o pecador e sobre o pecado do que ser um tentador. Apesar do diabo e a cobiça poderem ser o tentador, e você ser o pecador, é Deus quem diretamente e completamente controla ambos, o tentador e o pecador, e a relação entre eles. E embora Deus não seja Ele mesmo o tentador, Ele deliberadamente e soberanamente envia espíritos maus para tentar (1 Reis 22:19-23) e para atormentar (1 Samuel 16:14–23, 18:10, 19:9). 
Mas em tudo isto Deus é justo por definição.
O verso está lhe dizendo que quando você trata com a tentação, você deve tratar diretamente com a sua cobiça, e não simplesmente culpar Deus e não fazer nada depois, ou permanecer em seu pecado. Leia todo o capítulo 1 de Tiago e veja se esta não é a ênfase óbvia. Ele trata com alegria, fé, perseverança, dúvida, orgulho, desejo mau (cobiça), ira, corrupção moral e ser um praticante da Palavra. Ele está tratando com as responsabilidades diretas do cristão na vida prática, e ele faz isto as relacionando aos motivos internos e características da pessoa. 
No verso 13, ele está instruindo o crente sobre como se aproximar corretamente de uma tentação: ele não está tentando explicar a metafísica por detrás disso. Ou, ele está considerando a responsabilidade do crente com respeito aos fatores interiores na santificação, e não a causa metafísica ou princípio para estes. Mas a causa metafísica ou princípio é exatamente o que estamos discutindo quando consideramos se Deus é o autor do pecado. Portanto, Tiago 1:13 não é diretamente aplicável ao nosso assunto; se alguém ainda deseja negar que Deus é o autor do pecado, ele terá que usar outro verso. 
Aqueles que citam Tiago 1 para afirmar que Deus não pode ser o autor do pecado podem usar o verso 17 para reforçar o entendimento deles do verso 13; contudo, se o verso 17 for interpretado de uma forma que seja consistente com a interpretação deles do verso 13, então, isto faria com que o verso 17 contradizesse Isaías 45:7. Mas se o verso 17 for corretamente interpretado, de forma que não mais contradiga Isaías 45:7, então, ele não mais reforça a falsa interpretação deles do verso 13. Um exame mais detalhado do verso 17 terá que esperar até outra hora, mas o que eu tenho simplesmente dito já torna a interpretação deles do verso 17 impossível, de forma que não preciso dizer mais nada para o nosso presente propósito. O ponto é que nada nesta passagem de Tiago nega (ou afirma) que Deus é o autor do pecado. 
O motivo e efeito admitido da resposta reformada popular é para satisfazer os padrões humanos de justiça e retidão. Dabney, Shedd, e outros admitem que a resposta deles tem em vista satisfazer a intuição humana. Não fosse o fato da soberania absoluta de Deus ser repugnante para a intuição humana pecaminosa, feita defeituosa pelos efeitos noéticos do pecado, a questão sobre o “autor do pecado” não teria nenhum ponto de entrada lógico nas discussões teológicas de forma alguma. 
Em contraste, o método bíblico para este tipo de perguntas e objeções não é justificar Deus, mas, em primeiro lugar, repreender o homem por questionar e objetar. 
Nossa passagem de Isaías 45 é um exemplo:
“Eu sou o SENHOR, e não há outro; fora de mim, não há deus...eu sou o SENHOR, e não há outro. Eu formo a luz e crio as trevas; eu faço a paz e crio o mal; eu, o SENHOR, faço todas essas coisas..” (v. 5-7).
“Porventura, dirá o barro ao que o formou: Que fazes? Ou a tua obra: Não tens mãos?” (v.9).
“Ai daquele que diz ao pai: Que é o que geras? E à mulher: Que dás tu à luz?” (v. 10). 
Em outras palavras, “Eu sou o único Deus. Seja na prosperidade ou desastre, Eu sou o criador de todas estas coisas — não há outro Deus para fazê-las. Você ousa me questionar sobre isto? Quem é você para objetar?”. 
Note que embora este verso possa não estabelecer conclusivamente cada detalhe, diferentemente de Tiago 1:13, ele tem algo a ver com metafísica. Ele é oúnico Deus, e isto está inseparavelmente conectado ao fato de que é este um e único Deus quem causa “todas estas coisas”, incluindo tanto a prosperidade como o desastre. Ele é o criador de todas elas. Isto é uma negação de qualquer tipo de dualismo — não há outro poder que possa causar prosperidade ou desastre. (Alguns fazem uma distinção entre mal natural e moral, mas a Bíblia diz que Deus causa ambos. Veja meu artigo, “O Problema do Mal”). 
Deus não diz, “Oh, não, Eu não sou o autor do pecado. Embora Eu seja a causa última de todas as coisas, Eu me distancio de causar diretamente o mal ao estabelecer causas secundárias e agentes livres. Assim, embora eu crie e sustente todas as coisas, os homens pecam livremente, pensando e agindo segundo as suas próprias disposições. As disposições más vêm de Adão. Quanto a como Adão adquiriu suas disposições más....bem, isto simplesmente terá que permanecer um mistério para você”. Se esta é a resposta, por que não pular direito para o mistério e nos economizar algum tempo? 
A Bíblia nunca responde este tipo de questões e objeções dessa forma. Há muitas passagens bíblicas dizendo que Deus causa todas as coisas, e a metafísica por detrás disso é explicada pela onipotência de Deus — a mesma onipotência criou tudo. Por outro lado, todas as passagens que as pessoas usam para negar que Deus é o autor do pecado ou para provar o compatibilismo, são apenas descrições de eventos e motivos, sem tratar com a causa metafísica daqueles eventos e motivos. 
Ao invés de dar a resposta popular, que é fraca, evasiva, incoerente, e confusa, Deus sem embaraço algum diz, “Sim, Eu faço todas as coisas. O que você vai fazer a respeito disso? Quem é você para sequer me questionar sobre isso?”. Quando chegamos na metafísica, incluindo a relação de Deus com as decisões humanas, seja para o bem ou para o mal, isto é como a Bíblia responde.
Então, leiamos Romanos 9:19–21:
“Dir-me-ás, então: Por que se queixa ele ainda? Porquanto, quem resiste à sua vontade?”.
“Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas? Porventura, a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?”.
“Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para desonra?”.
Novamente, isto tem algo a ver com metafísica (determinismo, liberdade, etc.), visto que o contexto tem a ver com eleição e reprovação, e o criar do eleito e não-eleito, como o oleiro faz o vaso à partir do barro. 
Paulo não diz, “Oh, não, você não entende. Embora Deus determine todas as coisas, Ele causa todas as coisas apenas te permitindo fazer decisões livremente segundo a sua própria natureza, que veio de Adão, cuja natureza misteriosamente de santa se tornou má, de forma que Deus não é o autor do pecado, e você é responsável pelas suas próprias decisões e ações”. 
Pelo contrário, Paulo diz que o controle de Deus sobre os “vasos para honra” e os “vasos para desonra” é como o controle do oleiro sobre uma massa de barro. (Certamente, isto é apenas uma analogia; na realidade, o controle de Deus sobre nós é muito maior do que o controle de um oleiro sobre o seu barro, visto que o oleiro não criou o barro e seu controle sobre ele é limitado — por exemplo, ele não pode fazer com que o barro se torne ouro — mas Deus criou o próprio material com o qual Ele trabalha e Ele tem controle completo sobre ele). E assim como a massa de barro não pode questionar o oleiro, a resposta de Paulo ao objetor não é, “Mas você se tornou mal por si mesmo” ou “Mas você pratica o mal segundo a sua própria natureza”; mas, pelo contrário, ele diz, “Porventura, a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim?” (afirmando assim que os réprobos são feitos réprobos por Deus e que eles não têm direito de reclamar). 
E Paulo não diz, “Mas Deus não é o autor do pecado”, mas, pelo contrário, ele diz, “Deus tem o direito de fazer uma pessoa justa e outra pessoa má, de salvar uma e condenar outra. Certamente ninguém pode resistir Sua vontade! Mas quem é você para replicar?”.
Esta é a atitude da Bíblia. Ela repreende o objetor e responde a objeção ao mesmo tempo. Mas a resposta não nega que Deus é a causa direta do pecado; pelo contrário, ela ousadamente diz que Deus tem o direito de fazer tudo o que Ele quer e que Ele faz tudo o que Ele quer. Ao invés de dar um passo para trás ou para o lado, ela dá um passo em direção ao objetor e dá-lhe uma bofetada na cara! 
E esta é a resposta de Deus. Ela é forte, direta, simples, coerente e irrefutável. Ela é perfeita.
Por Vincent Cheung
Fonte Monergismo
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...