terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Verdadeira comunhão com Deus


O Diabo tem grau elevado de conhecimento especulativo sobre a divindade, tendo sido educado na melhor escola de teologia do universo, ou seja, o céu dos céus. Ele tem de ter tal conhecimento extenso e preciso relativo à natureza e atributos de Deus, que nós, vermes do pó, em nosso estado atual não estamos aptos. Ele tem de ter conhecimento mais extenso das obras de Deus desde a obra da criação em particular, pois ele foi espectador da criação deste mundo visível e foi uma das estrelas da alva: “Onde estavas tu quando eu fundava a terra? Faze-mo saber, se tens inteligência. Quem lhe pôs as medidas, se tu o sabes? Ou quem estendeu sobre ela o cordel? Sobre que estão fundadas as suas bases, ou quem assentou a sua pedra de esquina, quando as estrelas da alva juntas alegremente cantavam, e todos os filhos de Deus rejubilavam?” (Jó 38.4-7).
Ele tem de ter conhecimento muito grande das obras do Deus da providência. Desde o princípio, ele foi um espectador da seqüência destas obras. Ele viu como Deus governou o mundo em todos os séculos. Viu a série das maravilhosas dispensações sucessivas do Deus da providência para a igreja de geração em geração. Ele não foi espectador indiferente, mas a grande oposição entre Deus e ele no transcurso das dispensações necessariamente prendeu-lhe a atenção da observação mais rígida. Ele tem de ter elevado grau de conhecimento em relação a Jesus Cristo como Salvador dos homens, a natureza e método da obra de redenção e a sabedoria maravilhosa de Deus nesse esquema. É essa obra de Deus na qual, acima de todas as outras, agiu em oposição a ele e na qual ele se fixou em oposição a Deus. E com relação a este assunto que a guerra poderosa foi deflagrada, a qual prosseguiu entre Miguel e seus anjos e o Diabo e seus anjos ao longo de todas as épocas desde o princípio do mundo e, sobretudo, desde que Cristo apareceu. O demônio teve o bastante para ocupar sua atenção nos passos da sabedoria divina nesta obra, pois é a essa sabedoria que ele opôs sua sutileza. Ele viu e descobriu, para grande decepção e tormento indizível seu, como a sabedoria divina, segundo foi exercida nessa obra, frustrou e confundiu seus dispositivos. Ele tem imenso conhecimento das coisas do outro mundo, pois as coisas daquele mundo estão na sua visão imediata.
Ele tem vasto conhecimento do céu, porque foi habitante desse mundo de glória. Tem amplo conhecimento do inferno e da natureza de sua miséria, porque ele é o primeiro habitante do inferno, e, acima de todos os outros habitantes, tem a experiência dos seus tormentos, pois constantemente os sentiu por mais de cinco mil e setecentos anos. Ele tem de ter extenso conhecimento das Escrituras Santas, porque é evidente que não teve dificuldade em saber o que está escrito lá pelo uso que fez das palavras da Escritura na tentação de nosso Salvador. Ele pode e tem muita oportunidade e disposição para perverter e torcer a Escritura, e impedir tal efeito da Palavra de Deus no coração dos homens, como tenderá a subverter o seu Reino. Ele tem de ter grande conhecimento da natureza do gênero humano, sua capacidade, disposições e corrupções do coração, pois teve muito tempo e observação e experiência livres. Ele teve de tratar principalmente com o coração do homem em seus artifícios sutis, esforços portentosos, operações inquietantes e infatigáveis e esforços desde o princípio do mundo. E evidente que ele tem amplo conhecimento especulativo da natureza da religião experimental, por ser capaz de imitá-lo tão ardilosamente e de maneira tal quanto a se transformar em anjo de luz.
É óbvio pelo meu texto e doutrina que nenhum grau de conhecimento especulativo da religião é evidência da verdadeira devoção. Quaisquer que sejam as noções claras que o homem tenha dos atributos de Deus, da doutrina da Trindade, da natureza das duas alianças, da economia das pessoas da Trindade e da parte que cada pessoa tem na questão da redenção do homem, se ele nunca pode discursar tão excelentemente dos ofícios de Cristo, do caminho da salvação por meio dEle, dos métodos admiráveis da sabedoria divina e da harmonia dos vários atributos de Deus nesse caminho; se ele nunca pode falar tão clara e exatamente do método de justificação do pecador, da natureza da conversão e das operações do Espírito de Deus, aplicando a redenção de Cristo, dando boa distinção, resolvendo alegremente dificuldades e respondendo objeções, até certo ponto tendendo a esclarecer os ignorantes para a edificação da igreja de Deus, a convicção dos contradizentes e o grande aumento de luz no mundo; se ele tem mais conhecimento deste tipo do que centenas de verdadeiros santos de educação comum e da maioria dos teólogos, não obstante, tudo isso não é evidência certa, em qualquer medida, da graça salvadora no coração.
E verdade que a Escritura fala de conhecimento das coisas divinas como algo peculiar aos verdadeiros santos, como vemos: “E a vida eterna é esta: que conheçam a ti só por único Deus verdadeiro e a Jesus Cristo, a quem enviaste”(Jo 17.3); “Todas as coisas me foram entregues por meu Pai; e ninguém conhece o Filho, senão o Pai; e ninguém conhece o Pai, senão o Filho e aquele a quem o Filho o quiser revelar” (Mt 11.27); “E em ti confiarão os que conhecem o teu nome” (SI 9.10); “E, na verdade, tenho também por perda todas as coisas, pela excelência do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; pelo qual sofri a perda de todas estas coisas e as considero como estéreo, para que possa ganhar a Cristo” (Fp 3.8). Temos de entender que se trata de tipo diferente de conhecimento da compreensão especulativa que o demônio tem em tão elevada medida. Também se admitirá que o conhecimento salvador espiritual de Deus e das coisas divinas promove grandemente o conhecimento especulativo, quando engaja a mente na busca de coisas desse tipo e muito ajuda na compreensão distinta entre elas, de forma que, outras coisas que sejam iguais, os que têm conhecimento espiritual são mais prováveis que outros de ter boa familiaridade doutrinária das coisas da religião. Entretanto, tal familiaridade pode não ser característica distintiva dos verdadeiros santos.
_______________________
Por Jonathan Edwards
Fonte: Liga Calvinista
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...