sábado, 15 de fevereiro de 2014

O Nascimento Virginal de Cristo

A Anunciação (c.1450) | San Marco Convent | Fra Angelico.

Is 7.10-16; Lc 1.26-38; Mt 1.18-25; Rm 1.3,4; 1 Co 15.45-49; Gl 4.4
"E, respondendo o anjo, disse-lhe: Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus.," (Lc 1.35)
A doutrina do nascimento virginal de Cristo sustenta que seu nascimento foi  resultado de uma concepção miraculosa, por meio da qual a Virgem Maria concebeu um bebê em seu útero pelo poder do Espírito Santo, sem um pai humano. O nascimento miraculoso de Cristo nos diz muito sobre sua natureza. O fato de ter nascido de uma mulher demonstra que ele era realmente humano e que se tornou um de nós. A humanidade de Cristo, contudo, não era precisamente como a nossa. Nós nascemos com o pecado original - Cristo, não.

O nascimento virginal também relaciona-se com a divindade de Cristo. Embora certamente seja possível que a Divindade entrasse no mundo de oura maneira além de um nascimento virginal, o milagre de seu nascimento aponta para sua divindade. O anúncio do anjo Gabriel a Maria enfatiza este ponto. Quando o anjo disse a Maria que ela teria um filho, ela ficou perplexa: " Como será isto, pois não tenho relação com homem algum?"(Lc 1.34).

A resposta de Gabriel é de um significado decisivo para nosso entendimento do nascimento virginal: "Descerá sobre ti o Espírito Santo, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; por isso também o Santo, que de ti há de nascer, será chamado Filho de Deus." (Lc 1.35). Momentos depois o anjo acrescentou: "Porque para Deus não haverá impossíveis em todas as suas promessas" (Lc 1.37).

Excetuando-se o sistema de inseminação artificial, que representa uma variação moderna e não miraculosa de concepção, nada é mais regular ou  comum na natureza do que a relação que resulta na concepção de um bebê. Uma mulher ficar grávida sem ter tido qualquer intercurso sexual com um homem não só é biologicamente extraordinário, tal coisa é claramente contrário às leis da natureza.

O filho de Maria, entretanto, não foi gerado por ela própria. O "pai" do bebê é o Espírito Santo. A linguagem bíblica ao falar do Espírito descendo sobre Maria e a "envolvendo com sua sombra" lembra a descrição do relato da obra do Espírito Santo na criação original do mundo. Revela que aquela criança seria uma criação especial e que seu pai seria o próprio Deus.

Aqueles  que não crêem no nascimento virginal geralmente não crêem que Jesus é o legítimo Filho de Deus. E assim, o nascimento virginal é como um "divisor de águas", separando os cristãos ortodoxo daqueles que não crêem na Ressurreição e na Expiação.

Sumario

1. A Bíblia ensina claramente e sem ambiguidade o nascimento virginal.

2. O nascimento de Jesus, de uma mulher, aponta para sua humanidade e sua manifestação como o novo ou segundo Adão.

3. O fato de Jesus ter nascido sem uma paternidade humana aponta para sua natureza divina como o Filho de Deus.

4. A negação do nascimento virginal geralmente está ligada à negação dos elementos sobrenaturais ou miraculosos das Escrituras.
____________________
Autor:  R. C. Sproul
Fonte: 1º Caderno Verdades Essenciais da Fé Cristã – R.C.Sproul. Editora Cultura Cristã.

Via: Teologia Calvinista
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...