segunda-feira, 17 de março de 2014

As Obras e os Decretos de Deus: A Aliança

Gn 15; Êx 20; Jr 31.31-34; Lc 22.20; Hb 8; Hb 13.20,21

A estrutura do relacionamento que Deus estabeleceu com seu povo é a aliança. Uma aliança é geralmente entendida como um contrato. Embora certamente existam algumas similaridades entre aliança e contratos, existem também algumas diferenças muito importantes. Ambos são acordos obrigatórios. Contratos são feitos a partir de posições de barganha relativamente iguais e ambas as partes têm liberdade de não assinar. Semelhantemente, a aliança também é um acordo. Na Bíblia, porém, as alianças geralmente não são entre iguais. Antes, seguem o padrão comum do antigo Oriente Médio, dos tratados entre suseranos e vassalos. Os tratados entre suseranos e vassalos (como visto entre os reis hititas) eram firmados entre um rei vencedor e o vencido. Não havia negociação entre as partes.

O primeiro elemento dessa aliança bíblica é o preâmbulo, o qual relaciona as  respectivas partes. Êxodo 20.2 começa com a frase: "Eu sou o Senhor, teu Deus". Deus é o suserano; o povo de Israel é o vassalo. O segundo elemento é o prólogo histórico. Esta seção relaciona o que o suserano (ou Senhor) fez para merecer a lealdade - como livrou os israelitas da escravidão do Egito. Em termos teológicos, esta é a seção da graça.

Na seção seguinte, o Senhor relaciona o que ele requer daqueles sobre quem governa. Em Êxodo 20, são os Dez Mandamentos. Cada um dos mandamentos era considerado um compromisso moral sobre toda a comunidade da aliança.

A parte final desse tipo de aliança relaciona as bênção e as maldições. O Senhor faz uma lista dos benefícios que concederá aos vassalos se eles seguirem as estipulações da aliança. Um exemplo disso se encontra no quinto mandamento. Deus prometeu aos israelitas que seus dias seriam longos na Terra Prometida, se honrassem os pais. A aliança também apresenta maldições que sobreviriam se o povo não cumprisse com suas responsabilidades. Deus adverte Israel que não os considerava como inocentes se falhassem em honrar seu nome. Esse padrão básico fica evidente nas alianças de Deus com Adão, Noé, Abraão, Moisés e a aliança de Jesus Cristo com sua Igreja.

Nos tempos bíblicos, as alianças eram ratificadas com sangue. Era costume que ambas as partes que estavam entrando em aliança passassem entre as partes de um animal esquartejado, representando assim sua concordância com os termos da aliança (ver Jr 34.18). Temos um exemplo desse tipo de aliança em Gênesis 15-7--21. Nesse texto, Deus fez certas promessas a Abraão, as quais foram ratificadas por meio de sacrifício de animais. Nesse caso, porém, somente Deus passou entre as partes dos animais, indicando por meio de um juramento solene que estava se comprometendo a cumprir a aliança.

A nova aliança, a aliança da graça, foi ratifica pelo derramamento do sangue de Cristo na cruz. No âmago desta aliança, está a promessa divina de redenção. Deus não só prometeu redimir todo aquele que põe sua confiança em Cristo, mas selou e confirmou a promessa com o mais santo dos votos. Servimos e adoramos um Deus que se comprometeu para a nossa completa redenção.

Sumário

Elementos de uma aliança:
1. Preâmbulo: identifica o soberano.
2. Prólogo histórico: recapitula a história do relacionamento entre as partes.
3. Estipulações: relaciona as condições da aliança.
4. Juramento/Votos: as promessas que obrigam as partes aos termos.
5. Sanções: as bênçãos e as maldições (recompensas e punições) estipuladas para a obediência ou a violação da aliança.
6. Ratificação: o selo da aliança por meio de sangue, isto é, o sacrifício de animais, e depois a morte de Cristo.
_________________________________
Autor:  R. C. Sproul
Fonte: 1º Caderno Verdades Essenciais da Fé Cristã – R.C.Sproul. Editora Cultura Cristã.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...