quinta-feira, 19 de junho de 2014

Stefan [Testemunho]


Eu nasci e cresci em uma família cristã praticante, eu mesmo sempre acreditei em Deus, em Jesus, mesmo nos momentos mais difíceis, eu nunca tive qualquer dúvida de sua existência.

Durante a adolescência surgiram os questionamentos, eu me sentia internamente muito diferente dos outros e pecador demais para assumir uma vida digna diante dos olhos de Deus

Qual era o meu problema?

Eu era gay. Na infância, acho que fui uma criança fraca, eu tinha um grande sentimento de inferioridade, talvez causado por uma super proteção da minha mãe, talvez porque meu pai não foi capaz de afirmar minha masculinidade ou talvez porque tenha ouvido muitas vezes: "você é fraco!"

Devido problemas de saúde, eu não praticava qualquer esporte, me colocando assim, cada vez mais a parte.

Eu me sentia diferente dos outros. Na área onde morava, era o menor do grupo de mais dois amigos, os outros eram pelo menos 5 anos mais velhos, e quando jogávamos juntos, eles me mostravam sua rejeição e superioridade.

Era forçado a fazer o que o grupo queria para não me sentir rejeitado. Minha identidade ele estava ferida, então eu preferia passar mais tempo com as meninas do que com os meninos, assim, me sentia mais seguro.

Até os 4 anos de idade, a relação com o meu pai era boa. Devido algumas dificuldades normais da vida, ele se tornou uma pessoa dura, e muitas vezes me tratou mal, era autoritário. Me repreendia na frente de todos, especialmente durante os famosos almoços e jantares de família, onde, eu me lembro, esperava sinceramente que a minha mãe ou alguém viesse em meu auxílio, mas sem sucesso.

Muitas vezes fui espancado, me senti humilhado, fraco, indefeso. Eu estava ansioso, medroso, inseguro de mim mesmo, da minha identidade, estava complexado,  perdi o amor que eu precisava. Senti fortemente a injustiça e vergonha.

Eu não tive uma infância muito feliz, embora meus pais fizeram o seu melhor. Eu orei a Deus para me curar, esperando o milagre, uma mudança radical.

Finalmente, também me sentia rejeitado por Deus, era constante a forte impressão de que Deus estava presente para os outros, mas não para mim, parte de mim se sentia abandonado.

Durante a adolescência eu não me sentia másculo. A pressão sobre mim era intensa, tudo começou a se tornar muito pesado, o desejo sexual erotizado se tornou em masturbação obsessiva por anos, praticando várias vezes por dia, buscando alívio e consolação, mas era ilusório.

Eu procurei  força e confiança em outros homens, queria encontrar em outros que eu não tinha! Depois de me formar, eu continuei a vida gay, onde eu estava, finalmente conheci pessoas que observei, gostei e desejei, pessoas como eu,que me compreendiam, para que eu pudesse finalmente começar a aliviar meu sofrimento interior.

Tudo, porém, em vez de amor, estava concentrado em sexo! Eu vivi em um círculo vicioso por muitos anos: sexo, alívio momentâneo, a insatisfação, o sofrimento ... novamente sexo e assim por diante. Minha frustração foi aliviada por uma dependência cada vez mais intensa.

Um dia eu percebi que estes homens tinham os mesmos problemas que eu. No final, todo mundo estava tentando possuir o outro, mas todos permaneciam vazios! A perversão assumiu, a dependência cada vez mais insatisfação mórbida cada vez mais presente.

Quando eu estava em uma discoteca ou bar havia abundância de sorrisos e alegria superficial, piadas, entretenimento de álcool e drogas. Quando eu estava sozinho, no entanto, vivia momentos de depressão e tristeza. Houve momentos em que me olhei no espelho e desejei me tornar cego e feio por não agradar mais ninguém. As lágrimas eram diárias, as orações pareciam se perder no vazio, Deus parecia  vivo só para os outros.

Mais tarde experimentei momentos realmente difíceis, no trabalho, e com os meus relacionamentos, e os dois pilares "fortes" da minha vida começam a tremer. A riqueza material que eu tinha sonhado se tornou realidade, mas minha vida não tinha sentido, eu estava em uma armadilha.

Mesmo que eu tenha vivido um bom momento enquanto gay, estava muitas vezes frustrado e minha liberdade tinha provado ser uma verdadeira escravidão. Eu não era nem feliz nem tinha paz para viver uma vida gay, eu tinha uma certeza interior de que se eu mudasse a estrada, o pior poderia acontecer.

Nesse tempo eu descobri Deus e a Igreja, e mais importante, a motivação para mudar de vida!

Esse retorno, como o filho pródigo,  me custou muito!

Fiquei arrasado, marcado por várias lesões, a rejeição por intenso sofrimento, mas ao mesmo tempo cheio de desejo e esperança. Deus me aceitou de braços abertos.

Eu queria mudar a minha atitude, pensamentos, estar aberto à vontade de Deus e embarcar em um novo caminho consciente de que era impossível fazê-lo sozinho.

Eu tive que aprender a me conhecer, ter uma identidade que não foi criada para  me relacionar sexualmente com homens, viver sem um foco unicamente em mim e as minhas necessidades.

Viver sem idolatrar relacionamentos, isto é, mudar a fonte do meu ser e perceber  o que me falta, sem buscar me preencher em relacionamentos. Aceitar e perdoar a mim mesmo e aos outros. Aceitar a amadurecer, porque eu sabia que o processo de maturação foi parado cedo demais, ter a coragem de assumir novos desafios, explorar novos campos.

Após esse período, nasceu em mim o desejo de ter uma namorada, casar, ter uma família, para descobrir amizades masculinas não erotizadas. Aprendi a questionar meus pensamentos, reconhecer quando eu agi por medo, cuidar de velhos padrões de vida e aprender novos hábitos.

Quero transmitir as coisas boas da vida, não acredito na mentira de que a homossexualidade é genética, ou que nós nascemos assim, e que não há chance para uma mudança!

Sair da homossexualidade significa recuperar a posse de sua identidade e viver consciente de sua própria masculinidade. Um processo longo e difícil, mas vale a pena!

Eu me casei em 2001 e tenho dois filhos: Martina, 4 anos e Yanis, 1 ano.

Stefan
_________________________
Fonte: Gruppo Lot
Via: Closet FullBr 
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...