terça-feira, 2 de setembro de 2014

A Doutrina da Trindade [01/29]


NAS ESCRITURAS, DESDE A PRÓPRIA CRIAÇÃO, SE ENSINA UMA ESSÊNCIA ÚNICA DE DEUS, QUE EM SI CONTÉM TRÊS PESSOAS

1. Infinitude e incorporeidade de Deus

O que da essência infinita e incorpórea de Deus se ensina nas Escrituras deve valer não só para desmantelar os desvarios do populacho, mas também para refutar as sutilezas da filosofia profana. Pareceu a um dos antigos(56) expressar-se com particular propriedade, quando disse que “Deus é tudo quanto vemos e tudo quanto não vemos”. Ao imaginar Deus nesses termos, na verdade ele quis dizer que a divindade está difusa, uma a uma, por todas as porções do mundo.(57) Mas, ainda que, para conter-nos dentro dos limites da sobriedade, Deus fala de sua essência parcimoniosamente; contudo, mercê desses dois epítetos que acima referi, tanto dissipa as fantasias grosseiras, quanto reprime a presunção da mente humana.

Ora, por certo que sua infinitude nos deve aterrar para que não o tentemos medir com nossos sentidos; sua natureza espiritual, por outro lado, veda que se imagine a seu respeito todo e qualquer aspecto terreno ou carnal. Pela mesma razão é que mais freqüentemente prescreve seu domicílio no céu. E contudo, visto que ele transcende a todo limite, de sua própria obtusidade nossa mente se curva ao chão, para debelar sua indolência e inércia, com justa razão nos eleva acima do mundo. E daqui cai por terra o erro dos maniqueus que, ao admitirem dois princípios absolutos, fizeram o diabo ser quase igual a Deus. Sem dúvida que isso era não só romper a unidade de Deus, como também limitar sua infinitude. Ora, o fato de que tenham ousado abusar de certos testemunhos da Escritura foi obra de boçal ignorância, bem como o próprio erro foi de execrável insânia.

Os antropomorfitas são também facilmente refutados, os quais imaginaram um Deus dotado de corpo, visto que freqüentemente a Escritura lhe atribui boca, ouvidos, olhos, mãos e pés. Pois quem, mesmo os de bem parco entendimento, não percebe que Deus assim fala conosco como que a balbuciar, como as amas costumam fazer com as crianças? Por isso, formas de expressão como essas não exprimem, de maneira clara e precisa, tanto o que Deus é, quanto lhe acomodam o conhecimento à pobreza de nossa compreensão. Para que assim suceda, é necessário que ele desça muito abaixo de sua excelsitude.
_______________________
Fonte: As Institutas, Capítulo XIII
Por: João Calvino

Notas
56. Sêneca, Natul. Quæst., livro I, praetat.
57. Primeira edição: “Deste modo, imaginou [ele] que, de fato, por todas as porções do mundo, uma a uma, difusa está a divindade.”
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...