sexta-feira, 3 de outubro de 2014

A Doutrina da Trindade [06/29]


NAS ESCRITURAS, DESDE A PRÓPRIA CRIAÇÃO, SE ENSINA UMA ESSÊNCIA ÚNICA DE DEUS, QUE EM SI CONTÉM TRÊS PESSOAS

6. Pessoa, Essência e Subsistência.

Mas, deixada de parte a discussão em torno de palavras, passarei agora a tratar da matéria em si. Portanto, designo como pessoa uma subsistência na essência de Deus que, enquanto relacionada com as outras, se distingue por uma propriedade incomunicável. Pelo termo subsistência queremos que se entenda algo mais que essência. Pois se o Verbo fosse simplesmente Deus, contudo não tivesse algo próprio, João teria dito erroneamente que ele estivera sempre com Deus [Jo 1.1]. Quando acrescenta imediatamente em seguida que também o próprio Verbo era Deus, ele nos volve para a essência única. Mas, uma vez que não podia estar com Deus sem subsistir no Pai, daqui emerge essa subsistência que, embora fosse unida à essência por um vínculo indivisível, não se pode separar dela, possui, no entanto, característica especial em virtude da qual se distingue dela.

Agora, quanto às três subsistências, afirmo que cada uma, relacionada que é às outras, se distingue por uma propriedade específica. Esta relação se exprime aqui expressamente porque, onde se faz menção simples e indefinida de Deus, esse termo cabe ao Filho e ao Espírito não menos que ao Pai. Tão logo, porém, se compara o Pai com o Filho, a propriedade específica distingue cada um do outro.

Em um terceiro aspecto, afirmo ser incomunicável tudo quanto é peculiar a cada um individualmente, porquanto não pode competir com, ou transferir-se ao Filho, o que quer que se atribui ao Pai como característica de diferenciação. Nem me desagrada realmente a definição de Tertuliano, contanto que seja tomada nos moldes adequados, de que “há em Deus certa distribuição ou economia, a trindade de pessoas, que nada altera da unidade da essência”.
_______________________
Fonte: As Institutas, Capítulo XIII
Por: João Calvino
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...