terça-feira, 29 de março de 2016

O Evangelho de satanás

O evangelho de Satanás não é um sistema de princípios revolucionários, nem ainda é um programa de anarquia. Ele não promove a luta e a guerra, mas objetiva a paz e a unidade. Ele não busca colocar a mãe contra sua filha, nem o pai contra seu filho, mas busca nutrir o espírito de fraternidade, por meio do qual a raça humana deve ser considerada como uma grande “irmandade”. Ele não procura deprimir o homem natural, mas aperfeiçoá-lo e erguê-lo. Ele advoga a educação e a cultura e apela para “o melhor que está em nosso interior” – Ele objetiva fazer deste mundo uma habitação tão confortável e apropriada, que a ausência de Cristo não seria sentida, e Deus não seria necessário. Ele se esforça para deixar o homem tão ocupado com este mundo, que não tem tempo ou disposição para pensar no mundo que está por vir. Ele propaga os princípios do auto-sacrifício, da caridade, e da boa-vontade, e nos ensina a viver para o bem dos outros, e a sermos gentis para com todos. Ele tem um forte apelo para a mente carnal, e é popular com as massas, porque deixa de lado o fato gravíssimo de que, por natureza, o homem é uma criatura caída, apartada da vida com Deus, e morta em ofensas e pecados, e que sua única esperança reside em nascer novamente.

Contradizendo o Evangelho de Cristo, o evangelho de Satanás ensina a salvação pelas obras. Ele inculca a justificação diante de Deus em termos de méritos humanos. Sua frase sacramental é “Seja bom e faça o bem”; mas ele deixa de reconhecer que lá na carne não reside nenhuma boa coisa. Ele anuncia a salvação pelo caráter, o que inverte a ordem da Palavra de Deus – o caráter como fruto da salvação. São muitas as suas várias ramificações e organizações: Temperança, Movimentos de Restauração, Ligas Socialistas Cristãs, Sociedades de Cultura Ética, Congresso da Paz, estão todos empenhados (talvez inconscientemente) em proclamar o evangelho de Satanás – a salvação pelas obras. O cartão da seguridade social substitui Cristo; pureza social substitui regeneração individual, e, política e filosofia substituem doutrina e santidade. A melhoria do velho homem é considerada mais prática que a criação de um novo homem em Cristo Jesus; enquanto a paz universal é buscada sem que haja a intervenção e o retorno do Príncipe da Paz.

Os apóstolos de Satanás não são taberneiros e traficantes de escravas brancas, mas são em sua maioria ministros do evangelho ordenados. Milhares dos que ocupam nossos modernos púlpitos não estão mais engajados em apresentar os fundamentos da Fé Cristã, mas têm se desviado da Verdade e têm dado ouvidos às fábulas. Ao invés de magnificar a enormidade do pecado e estabelecer suas eternas conseqüências, o minimizam ao declarar que o pecado é meramente ignorância ou ausência do bem. Ao invés de alertar seus ouvintes para “escaparem da ira futura”, fazem de Deus um mentiroso ao declarar que Ele é por demais amoroso e misericordioso para enviar quaisquer de Suas próprias criaturas ao tormento eterno. Ao invés de declarar que “sem derramamento de sangue não há remissão”, eles meramente apresentam Cristo como o grande Exemplo e exortam seus ouvintes a “seguir os Seus passos”. Deles é preciso que seja dito: “Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria justiça, não se sujeitaram à justiça de Deus” (Romanos 10:3). A mensagem deles pode soar muito plausível e seu objetivo parecer muito louvável, mas, ainda sobre eles nós lemos: – “Porque tais falsos apóstolos são obreiros fraudulentos, transfigurando-se em apóstolos de Cristo. E não é maravilha, porque o próprio Satanás se transfigura em anjo de luz. Não é muito, pois, que os seus ministros se transfigurem em ministros da justiça; o fim dos quais será conforme as suas obras” (II Coríntios 11:13-15).

Somando-se ao fato de que hoje centenas de igrejas estão sem um líder que fielmente declare todo o conselho de Deus e apresente Seu meio de salvação, também temos que encarar o fato de que a maioria das pessoas nestas igrejas está muito distante de conseguir descobrir a verdade por si mesma. O culto doméstico, onde uma porção da Palavra de Deus era costumeiramente lida diariamente, é agora, mesmo nos lares de Cristãos professos, basicamente uma coisa do passado. A Bíblia não é exposta no púlpito e não é lida no banco da igreja. As demandas desta era agitada são tão numerosas, que multidões têm pouco tempo, e ainda menos disposição, para fazer uma preparação para o encontro com Deus. Por essa razão, a maioria, aqueles que são negligentes o bastante para não pesquisarem por si mesmos, são deixados à mercê dos homens a quem pagam para pesquisar por eles; muitos dos quais traem a verdade deles, por estudar e expor problemas sociais e econômicos ao invés dos Oráculos de Deus.

Em Provérbios 14:12 lemos: “Há um caminho que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte”. Este “caminho” que termina em “morte” é a Ilusão do Diabo – o evangelho de Satanás – um caminho de salvação através da realização humana. É um caminho que “parece direito”, o qual, é preciso que se diga, é apresentado de um modo tão plausível que ganha a simpatia do homem natural; é pregado de forma tão habilidosa e atrativa, que se torna recomendável à inteligência dos seus ouvintes. Por incorporar a si mesmo terminologia religiosa, algumas vezes apela para a Bíblia como seu suporte (sempre que isto se ajusta aos seus propósitos), mantém diante dos homens ideais elevados, e é proclamado por pessoas que têm graduação em nossas instituições teológicas, e incontáveis multidões são atraídas e enganadas por ele.

O sucesso de um falsificador de moedas depende em grande medida de quão proximamente a falsificação lembra o artigo genuíno. A heresia não é uma total negação da verdade, mas sim, uma deturpação dela. Por isto é que uma meia verdade é sempre mais perigosa que uma completa mentira. É por isso que quando o Pai da Mentira assume o púlpito, não é seu costume claramente negar as verdades fundamentais do Cristianismo, antes ele tacitamente as reconhece, e então procede de modo a lhes dar uma interpretação errônea e uma falsa aplicação. Por exemplo, ele não seria tão tolo de orgulhosamente anunciar sua descrença em um Deus pessoal; ele dá a Sua existência como certa, e então apresenta uma falsa descrição da Sua natureza. Ele anuncia que Deus é o Pai espiritual de todos os homens, que as Escrituras claramente nos dizem que nós somos: “filhos de Deus pela fé em Cristo Jesus” (Gálatas 3:26), e que “a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus” (João 1:12). E mais adiante, ele declara que Deus é por demais misericordioso para em algum momento enviar qualquer membro da raça humana no Inferno, mesmo havendo o próprio Deus dito que: “aquele que não foi achado escrito no livro da vida foi lançado no lago de fogo” (Apocalipse 20:15). Novamente, Satanás não seria tão tolo, a ponto de ignorar a figura central da história humana – o Senhor Jesus Cristo; ao contrário, seu evangelho O reconhece como sendo o melhor homem que já viveu. A atenção é então levada para os Seus feitos de compaixão e para as Suas obras de misericórdia, para a beleza de Seu caráter e a sublimidade de Seu ensino. Sua vida é elogiada, mas Sua morte vicária é ignorada, a importantíssima obra reconciliadora da cruz não é mencionada, enquanto Sua triunfante e corpórea ressurreição dos mortos é considerada como uma crendice de uma época de muita superstição. É um evangelho sem sangue, e apresenta um Cristo sem cruz, que é recebido não como Deus manifesto em carne, mas meramente como o Homem Ideal.
_______
Por Arthur W. PinkO outro EvangelhoRevista Fé para Hoje, p.14
Leia Mais ►

segunda-feira, 28 de março de 2016

Curso de Cristologia [4/16]

A História de Cristo segundo os evangelhos do NT

Nesse vídeo iremos abordar a pessoa de Jesus Cristo segundo a visão dos evangelistas. A intenção dessa aula é responder a pergunta: Como as Escrituras contam a história de Cristo? A ênfase dessa aula será sobre o quadro geral que os quatro evangelhos do Novo Testamento pintam sobre Jesus Cristo, e introduzir alguns dos conceitos que iremos tratar nas próximas aulas sobre sua Pessoa.


Por Marcelo Berti
Fonte: Teologando

Leia Mais ►

domingo, 27 de março de 2016

Curso de Cristologia [3/16]

A história de Cristo segundo o Antigo Testamento

Nesse vídeo iniciamos o estudo a respeito da história de Cristo tal como apresentada pelas Escrituras. A intenção dessa aula é responder à pergunta: Como as escrituras contam a história de Cristo? A ênfase dessa aula é observar 42 das 312 profecias referentes a pessoa do Messias e como as declarações dessas profecias se cumprem cabalmente na figura histórica de Jesus Cristo, de acordo com o Novo Testamento.



Por Marcelo Berti
Fonte: Teologando
Leia Mais ►

sábado, 26 de março de 2016

Curso de Cristologia [2/16]

Historicidade de Cristo na opinião de cristãos (fora do NT)

Nesse vídeo encontramos a continuação da aula sobre a historicidade de Cristo e nela continuamos a responder a pergunta: Jesus Cristo realmente existiu? A ênfase nessa aula é verificar o que algumas das fontes cristãs fora do Novo Testamento afirmam a respeito de Cristo e de sua historicidade. Serão examinadas nessa aula as cartas de Clemente de Roma, Inácio de Antioquia, a Carta a Diogneto e a Epístola de Barnabé.


Por Marcelo Berti
Fonte: Teologando
Leia Mais ►

sexta-feira, 25 de março de 2016

Curso de Cristologia [1/16]

Historicidade de Cristo na opinião de não cristãos

Nesse vídeo trataremos da introdução do curso de cristologia oferecido por Marcelo Berti na Igreja Batista Cidade Universitária durante os meses de Maio e Junho de 2011. A pergunta a ser respondida nesse vídeo é: Jesus Cristo realmente existiu? Para responder a essa pergunta vamos discorrer sobre fontes não cristãs antigas e o testemunho que elas oferecem sobre Jesus Cristo.


Fonte: Teologando
Leia Mais ►

DEUS MEU, DEUS MEU

…Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?… (Mt 27:46)
Estas são as palavras de maior segurança para os pecadores, enquanto Jesus estava pendurado no madeiro. Quanto mais medito, tanto mais acho impossível desvendar tudo o que está contido nelas. Frequentemente você deve ter observado como algo tão pequeno pode encerrar em si uma sequência de coisas tão grandes. Uma flâmula sobre o mastro principal é algo pequeno; todavia mostra claramente para que lado o vento sopra. Uma nuvem do tamanho da mão de um homem é algo pequeno; no entanto, pode mostrar que se aproxima uma forte tempestade. A andorinha é um pássaro pequeno; entretanto, anuncia que o verão chegou. Assim é com o homem. Um olhar, um vislumbre, uma ideia não completada — uma sentença incompleta — pode mostrar muito mais o que se passa interiormente do que um longo discurso. Assim aconteceu na morte do Salvador. Estas poucas palavras de sofrimento nos dizem mais do que grandes volumes de teologia. Que o Senhor nos capacite a encontrar algo aqui que alimente as nossas almas.
I – A perfeição da obediência de Cristo
1. Palavras de obediência. “Deus meu, Deus meu.” Ele foi obediente até a morte. Sempre tenho explicado a você como o Senhor Jesus veio para ser não somente um cumpridor como também o Salvador agonizante — não somente para sofrer tudo que nós deveríamos ter sofrido, mas também para obedecer a tudo que nós deveríamos ter obedecido — não apenas para sofrer a maldição da lei, mas para obedecer aos mandamentos da lei. Quando isto lhe foi proposto no céu, Ele disse: “Agrada-me fazer a tua vontade, ó Deus meu; dentro do meu coração, está a tua lei” (Sl 40.8). Agora, olhe para Ele como um homem obediente ao seu Deus. Veja como Ele fez isso de forma tão perfeita — até o final! Deus lhe diz: “Cumpra a minha vontade”. Ele obedece: “Não sabíeis que me cumpria estar na casa de meu Pai?” (Lc 2.49). Deus lhe diz: “Fale por mim aos pecadores” — Ele obedece: “Uma comida tenho para comer, que vós não conheceis. A minha comida consiste em fazer a vontade daquele que me enviou e realizar a sua obra” (Jo 4.32, 34). Deus Lhe diz: “Morra em lugar dos pecadores — sofra a minha ira por amor aos inimigos — suporte a crucificação; derrame o seu sangue e entregue a sua vida por eles” — Ele obedece: “Ninguém a tira de mim” (Jo 10.18). Na noite anterior, Ele disse: “Não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18.11). Porventura, Ele recuaria ao chegar à cruz? Não; por três horas a escuridão O envolveu, mas, ainda assim, Ele disse: “Deus meu, Deus meu”. Pecador, você tem a Cristo como sua segurança? Veja que obediência perfeita, em seu lugar! O grande mandamento de morrer pelos pecadores estava sobre Ele. Veja que obediência perfeita!
2. Palavras de fé. “Deus meu, Deus meu.” Estas palavras mostram a maior fé que já existiu neste mundo. Fé é crer na palavra de Deus, não porque a vemos ou sentimos que ela é a verdade, mas porque Deus a pronunciou. Na cruz, Cristo foi rejeitado. Ele não viu que Deus era o seu Deus — Ele não sentiu que Deus era o seu Deus; e, ainda assim, Ele creu na palavra de Deus, e bradou: “Deus meu, Deus meu”. (1) Davi demonstrou grande fé, conforme nos mostra o Salmo 42.7,8: “Um abismo chama outro abismo, ao fragor das tuas catadupas; todas as tuas ondas e vagas passaram sobre mim. Contudo, o Senhor, durante o dia, me concede a sua misericórdia, e à noite comigo está o seu cântico, uma oração ao Deus da minha vida”. Ele se sentia como que coberto por um mar de sofrimentos. Ele não conseguia ver nenhuma luz — nenhum escape; não obstante, ele creu na palavra do Senhor e disse: “Contudo, o Senhor me concede misericórdia”. Isto é fé, que crê mesmo quando não vê. (2) Jonas mostrou grande fé: “Pois me lançaste no profundo, no coração dos mares, e a corrente das águas me cercou; todas as tuas ondas e as tuas vagas passaram por cima de mim. Então, eu disse: lançado estou de diante dos teus olhos; tornarei, porventura, a ver o teu santo templo?” (Jn 2.3,4). Ele estava, literalmente, no fundo do mar. Ele não conhecia um meio de escape — não via nenhuma luz — não sentia nenhuma segurança; ainda assim, ele creu na palavra de Deus.
Isso era ter uma grande fé. (3) Mas, ah! Eis alguém maior que Jonas! Eis uma fé maior que a de Davi — fé maior que a de Jonas — a maior fé que já existiu no mundo, no passado ou futuro. Cristo, na cruz, estava sob um mar mais profundo que aquele que cobriu Jonas. As ondas agitadas da ira de Deus lançaram-se com furor sobre Ele. Ele foi rejeitado por seu Pai — esteve em densas trevas — esteve no inferno; ainda assim, creu na palavra de Deus. “Pois não deixarás a minha alma na morte” (Sl 16.10). Ele não sente — Ele não vê — mas Ele crê e brada: “Deus meu, Deus meu”. “Ainda que ele me mate, nele esperarei” (Jó 13.15 – RC). Querido crente, esta é a sua segurança. Você sempre está descrente — desconfiado de Deus; contemple a sua segurança: Ele nunca deixou de confiar; apegue-se a Ele — você é completo nEle.
3. Palavras de amor. “Deus meu, Deus meu.” Estas foram as palavras de doce submissão que Jó pronunciou, quando Deus tirou filhos e bens: “Nu saí do ventre de minha mãe” (Jó 1.21). Tão doces, que ele pôde até bendizer a Deus, mesmo quando Ele lhe tirou tudo. Aquelas foram palavras de amor doce e submisso, as quais o velho Eli disse, quando Deus lhe falou que seus filhos morreriam: “É o Senhor; faça o que bem lhe aprouver” (1 Sm 3.18). O mesmo temperamento doce estava no âmago da mulher sunamita, cujo filho veio a morrer, quando o profeta lhe perguntou: “Vai tudo bem contigo, com teu marido, com o menino? Ela respondeu: Tudo bem” (2 Rs 4.26). Mas, ah! Aqui está um amor maior — uma submissão maior e mais doce do que a de Jó, de Eli ou da mulher sunamita. Maior do que qualquer amor que já existiu no mundo. Aqui está alguém que fora pendurado entre a terra e o céu — rejeitado por seu Deus — sem um sorriso — sem qualquer consolo — sofrendo as agonias do inferno; mas, ainda assim, amando ao Deus que O rejeitou. Ele não bradou: “Cruel, Pai cruel!” Não! Mas, com toda veemência e afeição, clamou: “Deus meu, Deus meu”. Queridas almas, é esta a sua segurança? Vocês O têm como Aquele que obedeceu por vocês? Ah! Então, vocês são completos nEle. Vocês têm um amor muito pequeno por Deus. Com que frequência vocês têm murmurado e pensado que Deus é cruel por tirar-lhes algumas coisas; mas, vejam a sua segurança, e regozijem-se nEle com alegria abundante. Todo o mérito de sua santa obediência lhes foi imputado.
II – A intensidade dos sofrimentos de Cristo
Ele foi rejeitado por Deus: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” A Liturgia Grega diz: “Nós vos suplicamos, por todos os sofrimentos de Cristo, conhecidos e desconhecidos”. Quanto mais conhecemos os sofrimentos de Cristo, tanto mais entendemos que eles não podem ser perscrutados. Ah! Quem pode explicar todo o significado do pão partido e do vinho derramado?
1. Ele experimentou muito sofrimento da parte de seus inimigos. (1) Ele sofreu em todo o seu corpo. Em sua cabeça — foi coroada de espinhos e golpeada com uma vara. Em sua face — eles a golpearam, e Ele a ofereceu àqueles que Lhe arrancavam a barba: “Não escondi o rosto aos que me afrontavam e me cuspiam” (Is 50.6). Em seus ombros — que carregaram a cruz pesada. Em suas costas: “Ofereci as costas aos que me feriam”. Em suas mãos e pés: “traspassaram-me as mãos e os pés” (Sl 22.16). Em seu lado — um soldado cravou uma lança em seu lado. Ah! Quão bem Ele pôde dizer: “Isto é o meu corpo oferecido por vós” (Lc 22.19). (2) Ele sofreu em todos os seus ofícios. Como profeta: “Outros o esbofeteavam, dizendo: profetizamos, ó Cristo, quem é que te bateu!” (Mt 26.67-68). Como sacerdote: eles zombavam dEle, quando ofereceu-Se como oferta única pelo pecado. Como rei, quando, ajoelhando-se diante dEle, diziam: “Salve, rei dos judeus” (Jo 19.3). (3) Ele sofreu por parte de todos os tipos de homens — sacerdotes e anciãos — soldados e transeuntes — reis e ladrões: “Muitos touros me cercam, fortes touros de Basã me rodeiam” (Sl 22.12). — “Cães me cercam” (Sl 22.16) — “Como abelhas me cercaram” (Sl 118.12). (4) Ele sofreu muito da parte do diabo: “Salva-me das fauces do leão” (Sl 22.21). Todo o sofrimento de Cristo foi uma batalha violenta e contínua contra Satanás: “Despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz” (Cl 2.15).
2. Ele sofreu muito da parte daqueles que Ele salvou posteriormente. Quão amargo foi o escárnio do ladrão que naquele dia seria perdoado e aceito! Quão amargo os brados dos três mil, que logo chegaram a saber a Quem estavam crucificando!
3. Da parte de seus discípulos. Todos O rejeitaram e fugiram. João, o discípulo amado, permaneceu de longe, e Pedro O negou. Dizem que quanto mais se espreme e esmaga a flor da camomila, tanto mais doce é o aroma que ela deixa ao redor. Ah! Assim aconteceu com nossa doce Rosa de Saron. O Salvador, esmagado pelo sofrimento, exalou aquela doce fragrância ao seu redor. São estas pisaduras que fazem de seu nome um bálsamo derramado.
4. Da parte do Pai. Todos os outros sofrimentos não foram nada em comparação a este: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Os outros sofrimentos foram limitados. Este foi um sofrimento infinito. Ser pisado pelo calcanhar de homens ou demônios era algo pequeno; mas, ah! ser esmagado pelo calcanhar de Deus: “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo” (Is 53.10).
Existem três considerações que nos mostram a intensidade dos sofrimentos de Cristo
1. Quem era Aquele que O rejeitou. Não era o seu povo, Israel — não era Judas, o traidor; não era Pedro, que O negou; nem João, que se recostava em seu peito. Ele poderia ter suportado tudo se assim fosse; mas, ah! foi seu Pai e seu Deus! As outras coisas pouco O afetavam, em comparação a esta. Os transeuntes meneavam a cabeça — Ele não disse uma palavra. O chefe dos sacerdotes escarneceu dEle — Ele não murmurou. Os ladrões zombavam ao lado dEle — Ele agia como um homem surdo, que nada ouvia. Deus trouxe três horas de escuridão sobre Ele — as trevas exteriores eram a imagem da escuridão que envolveu sua alma. Ah! isto foi agonia infinita: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?
2. Quem era Aquele que foi rejeitado. (1) Alguém infinitamente querido por Deus. Vós me amastes antes da fundação do mundo; todavia, vós me rejeitastes. Eu estive desde sempre junto de Ti — em gozo infinito diante de Ti. Eu gozava do resplendor do vosso amor. Ah! Por que estas trevas tão terríveis me cercam? “Deus meu, Deus meu.” (2) Alguém que tinha infinita aversão pelo pecado. Que terrível é para um homem inocente ser lançado na cela de um criminoso condenado! Mas, ah! quão mais terrível foi para Cristo, que possuía infinita aversão pelo pecado, o ser considerado pelo Pai como pecador. (3) Alguém que tinha o gozo infinito do favor de Deus. Quando dois amigos dedicados se encontram, eles têm um gozo intenso do amor um do outro. Quão doloroso é suportar os olhares frios e adversos daquele em cujo favor você encontrava este gozo indizível! Mas, ah! isso nada é quando comparado à dor de Cristo.
3. O que Deus fez a Ele — rejeitou-O. Prezados amigos, contemplemos este oceano no qual Cristo mergulhou. (1) Ele foi privado de todas as consolações de Deus — não sentia o amor de Deus; não sentia que Deus se compadecia dEle; não sentia que Deus Lhe dava amparo. Antes Deus era seu sol. Agora aquele sol se transformou em trevas. Nenhum sorriso de seu Pai — nenhum olhar agradável, nenhuma palavra bondosa. (2) Ele estava sem Deus — era como se Ele não tivesse Deus. Tudo o que Deus havia sido para Ele antes foi- Lhe tirado. Ele estava sem Deus — privado da comunhão com seu Deus. (3) Ele teve o mesmo sentimento do um condenado, quando o juiz lhe diz: “Aparta-te de mim, maldito, que deve ser punido com destruição eterna, fora da presença do Senhor e da glória de seu poder” . Ele sentiu que Deus Lhe dissera o mesmo. Ah! este foi o inferno que Cristo sofreu. Queridos amigos, sinto-me como uma criancinha lançando uma pedra em alguma ribanceira na montanha, atento por ouvir sua queda — mas ouvindo em vão; ou como o marinheiro que lança o prumo ao mar, o qual é muito fundo — a mais longa corda não pode alcançar. O oceano dos sofrimentos de Cristo é insondável.
III – Respostas ao “Por que me desamparaste?”
Por ser Ele a segurança dos pecadores e oferecer-se em lugar deles.
1. Ele concordou com seu Pai, antes de toda a eternidade, em colocar- se no lugar dos pecadores e por eles sofrer, ou seja, toda a maldição que deveria ser lançada sobre eles, caiu sobre Jesus. Por que Ele ficaria tão surpreso por Deus ter derramado toda a sua ira? “Por que me desamparaste?” O motivo é que Jesus fez aliança para colocar-Se em lugar dos pecadores.
2. Ele se dispôsEle manifestou no semblante a intrépida resolução. “Fiz o meu rosto como um seixo” (Is 50.7). Deus colocou o cálice diante dEle, no jardim, dizendo: “Estás disposto a bebê-lo ou não?” Ele respondeu: “Não beberei, porventura, o cálice que o Pai me deu?” (Jo 18.11). “Todavia, ao Senhor agradou moê-lo” (Is 53.10). Por quê? Porque Jesus, ao escolher ser a segurança, não recuaria.
3. Ele sabia que, se não sofresse, o mundo inteiro teria de sofrer. Foi sua compaixão pelo mundo que O fez assumir o lugar de Salvador: “Viu que não havia ajudador algum e maravilhou-se de que não houvesse um intercessor; pelo que o seu próprio braço lhe trouxe a salvação, e a sua própria justiça o susteve” (Is 59.16) . Por quê? Porque ou Ele, ou o mundo — inferno para Ele ou para toda a humanidade.
Lições para nós:
1. Lição para as pessoas sem Cristo. Esteja ciente do seu perigo. Onde quer que Deus veja pecado, Ele irá puni-lo. Ele puniu os anjos rebeldes — puniu Adão — o mundo antigo — Sodoma; e, quando viu o pecado sobre Cristo, rejeitou seu próprio Filho. Você faz pouco caso do pecado. Veja o que Deus pensa sobre o pecado.Ainda que seja apenas um pecado que esteja sobre você, se este não tiver sido expiado, você não será salvo. Deus diz: “Ainda que… fosse o anel do selo da minha mão direita — ainda que fosse meu filho amado — eu dali o arrancaria” (Jr 22.24). Oh! deixe-me persuadi-lo, neste dia, a aproximar-se de Jesus Cristo!
2. Lição para aqueles que estão em Cristo. Admire o amor de Jesus. Oh! que mar de ira Ele suportou por você! Que sofrimento Ele experimentou por você, alma ingrata e vil! O corpo transpassado e o sangue derramado — representados no pão e no cálice — são provas do seu amor. Oh! que o seu coração transborde em anelo pelo Salvador! Diríamos a todos os que estão em Cristo: Ele foi rejeitado, em lugar dos pecadores. Se você O tem como sua única segurança, nunca será rejeitado. Do corpo transpassado e do sangue derramado surge o clamor: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Por mim — Por mim! Que Deus abençoe a sua Palavra.
____________________
Robert Murray M’CheyneMy God, My God – Sermon LII (Deus meu, Deus meu – Sermon 52)
Fonte: Editora Fie | Via: Congregação Puritana Livre
Leia Mais ►

terça-feira, 22 de março de 2016

Doutrina das Últimas Coisas, por Leandro Lima [3]

A Revelação da Glória, da Misericórdia e do Poder de Jesus
Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo.
Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta,
Que dizia: Eu sou o Alfa e o Ômega, o primeiro e o derradeiro; e o que vês, escreve-o num livro, e envia-o às sete igrejas que estão na Ásia: a Éfeso, e a Esmirna, e a Pérgamo, e a Tiatira, e a Sardes, e a Filadélfia, e a Laodicéia.
E virei-me para ver quem falava comigo. E, virando-me, vi sete castiçais de ouro;
E no meio dos sete castiçais um semelhante ao Filho do homem, vestido até aos pés de uma roupa comprida, e cingido pelos peitos com um cinto de ouro.
E a sua cabeça e cabelos eram brancos como lã branca, como a neve, e os seus olhos como chama de fogo;
E os seus pés, semelhantes a latão reluzente, como se tivessem sido refinados numa fornalha, e a sua voz como a voz de muitas águas.
E ele tinha na sua destra sete estrelas; e da sua boca saía uma aguda espada de dois fios; e o seu rosto era como o sol, quando na sua força resplandece.
E eu, quando o vi, caí a seus pés como morto; e ele pôs sobre mim a sua destra, dizendo-me: Não temas; Eu sou o primeiro e o último;
E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.
Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer;
O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas. Apocalipse 1:9-20

Por Rev. Leandro Lima
Leia Mais ►

Doutrina das Últimas Coisas, por Marcos Granconato [3]

O Mundo na Grande Tribulação (parte 1)
Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.
Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão.
E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos.
E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará.
Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo.
E este evangelho do reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as nações, e então virá o fim.
Mateus 24:9-14


Por Pr. Marcos Granconato
Leia Mais ►

Abusar das Escrituras, Abusar de Deus

Os evangélicos cristãos baseiam suas vidas na Bíblia. Acreditamos que a Bíblia é a Palavra de Deus e que esta, portanto, é uma autoridade para nós em questões de fé e prática. A Bíblia indica as grandes verdades de quem Deus é, como nos relacionamos com ele, como entendemos a nós mesmos e o mundo. Resumidamente, a Bíblia contém as palavras da vida. Crentes a usam para guiá-los no discernimento da vontade de Deus, do fundamental ao corriqueiro. Nós a lemos a fim de tanto obtermos esperança, quanto colhermos verdades. A Bíblia afeta nossas crenças, atitudes e comportamentos. Resumidamente, a Bíblia é a nossa conexão com os céus; sem esta, estamos à deriva, desprotegidos em uma terra hostil. 

Primeira Razão: Falta de Respeito

Um dos curiosos fenômenos da atualidade é como os cristãos têm usado a Bíblia. Ao invés de reconhecer que ela é um livro feito de sessenta e seis livros, cada um escrito para um povo específico, por uma razão específica, tendemos a arrancar versículos fora dos seus contextos, porque as palavras concordam com o que já acreditamos. Às vezes crentes dizem coisas ingênuas como: “Deus me deu um versículo hoje”. O que há de errado como isto? Duas coisas: primeiro, esta abordagem das Escrituras não honra a autoria divina das Escrituras. Deus deu o versículo há pelo menos 1.900 anos atrás. Talvez você só tenha descoberto o versículo hoje, mas ele estava lá o tempo todo. Dizer que Deus deu um versículo hoje é realmente uma afirmação existencial, como se a Bíblia não se tornasse viva até nós a lermos de um determinado jeito. Mas a revelação cessou. Está tudo lá no Livro. Esta forma de falar soa quase como se a revelação continuasse. Mas, o trabalho do Espírito hoje, decididamente não é a nível cognitivo; ele não nos está trazendo uma nova revelação. Seu trabalho em relação à Bíblia é primariamente no âmbito da convicção; ele ajuda a convencer da mensagem da Bíblia, uma vez que ela seja devidamente compreendida. Segundo, esta abordagem (i.e., o dito método “Deus me deu um versículo hoje”) das Escrituras não honra a autoria humanada Bíblia. Quando Paulo escreveu aos Gálatas, ele escreveu uma mensagem coerente, holística. Ele nunca teve a intenção de que alguém, dois milênios mais tarde, roubasse versículos do seu contexto e os utilizasse como melhor achasse! É certo que temos o direito de citar versículos, mas não temos o direito de ignorar o contexto, ou fazer com que os versículos digam o que a língua não pode dizer. Do contrário, alguém pode vir e dizer: “Judas enforcou-se”; “Vá e faça o mesmo!” Conseqüentemente, uma razão do abuso das Escrituras é a devida falta de respeito pela Bíblia como uma obra divina e humana. A abordagem acima a torna um livro de mágico de encantamento – quase que um livro de provérbios de biscoitos da sorte sem nexo!

Segunda Razão: Preguiça

Algo típico deste abuso das Escrituras é a preguiça. Isto é, a maioria das pessoas simplesmente não dão o devido trabalho de ler o contexto ou examinarem os significados bíblicos. E mesmo quando estas pessoas são confrontadas com evidências convincentes contrárias a suas posições, elas freqüentemente respondem descaradamente: “Esta é apenas a sua interpretação”. Este tipo de resposta soa como se todas as interpretações fossem arbitrárias, como se todas as interpretações fossem igualmente plausíveis. Esta visão é claramente falsa. Veja a seguinte sentença como exemplo: “Minha mãe gosta de manga”. Uma interpretação destas palavras não é tão válida quanto uma outra qualquer. Esta sentença não pode significar “Meu pai é um mecânico de automóveis”. “Mãe” não significa “Pai”; “gostar” não significa “ser”; “manga” não é um sinônimo de “mecânico de automóveis”. A língua não pode ser distorcida desta forma. Agora, sem um contexto, há contudo, duas opções distintas para a sentença em vista. Ou “Minha mãe gosta do fruto da mangueira” ou “Minha mãe gosta de vestimenta que não deixa os ombros (ou, os braços) expostos”. Qual é a opção certa? A única forma de saber é observar o contexto da afirmação, ou perguntar ao autor da sentença! Ambas opções são feitas na interpretação bíblica. Algumas vezes o contexto resolve o problema, outras vezes, quanto mais conhecermos a respeito do autor, mais capazes seremos para determinarmos o seu significado. Mas uma receita certa para perder o sentido do texto é ter muito descuidado com ele. Afinal de contas, Paulo não disse a Timóteo: “Procura apresentar-te a Deus aprovado”?

Terceira Razão: Desonestidade

Outra razão para distorcer as Escrituras é simplesmente a desonestidade. Pedro relembra a sua audiência de que Paulo escreveu coisas que são difíceis de compreender, as quais os instáveis e perversos distorcem para sua própria destruição (2 Pedro 3:15-16). Eu temo que esta abordagem das Escrituras represente a atitude de um número demasiadamente alto de indivíduos, e não apenas de hereges. Com freqüência, pregadores tornam-se presas da tentação: “Isto dá uma boa pregação?” ao invés de seguirem a convicção: “É verdade?” Anos atrás, eu estava trabalhando numa igreja, preparando uma mensagem para os solteiros. O pastor estava preparando um sermão para toda a congregação. Era um sábado à noite. Ele veio ao meu escritório e me perguntou como eu entendia uma certa palavra. Eu lhe disse quais as opções que eu pensava que o texto grego permitia, dando-lhe razões em favor da minha preferência particular. A resposta dele foi: “Então, você não acha que isto significa ‘X’?” Eu lhe respondia que ‘X’ não era uma das opções; o grego não poderia ser distorcido para dar tal sentido. Aí ele disse: “Que pena. Eu já preparei meu sermão, e em um dos pontos principais, eu me baseio tomando o sentido ‘X’. É tarde demais para mudar agora”. Eu fiquei chocado. Eis aí um homem que iria subir ao púlpito no dia seguinte sabendo que iria pregar algo que não era verdade! Sem dúvida, professores da Palavra não têm todas as respostas. Há muitas coisas para as quais temos perguntas no meio do nosso ensinamento. (Tenho há muito tempo defendido que, quando não sabem, uma das coisas que professores da Bíblia devem ser é exemplos de humildade. É geralmente aí, contudo, que mais se bate no púlpito!) Mas isto é bastante diferente de saber que estamos no erro e pregar o erro de qualquer jeito. Cruzar esta linha ética traz certas conseqüências. Não foi Tiago que escreveu: “não vos torneis, muitos de vós, mestres, sabendo que havemos de receber maior juízo”?

Nem sempre podemos adivinhar as razões pelas quais algumas pessoas usam a Bíblia de tal forma que ela nunca teve a intenção de ser usada. Mas, temos a responsabilidade de ser bons administradores da Palavra. Não deve ser a nossa atitude a mesma dos Bereanos? Quando os Bereanos ouviram o evangelho que Paulo pregou, Lucas nos conta que eles eram mais nobres de mente do que os de Tessalônica, porque receberam as coisas que Paulo disse com alegria, mas também buscaram nas Escrituras para confirmar as coisas pregadas (Atos 17:11)! Devemos ouvir a Palavra sendo pregada com um ouvido crítico e um sorriso no rosto.

Nos meses que se seguem, estarei explorando alguns versículos que com freqüência têm sido distorcidos. Esses ensaios terão a intenção de ser bem abreviados. Embora seja verdade que parte de nosso propósito é corrigir alguns maus ensinamentos, esses textos seletos geralmente têm um ponto profundo, o qual precisa ser ouvido. No entanto, com freqüência não escutamos suas mensagens, porque fomos instruídos na interpretação popular por tanto tempo, que somos incapazes de reconhecer o verdadeiro significado do texto. Vamos encerrar com um exemplo. Freqüentemente em casamentos, um versículo do livro de Rute é citado: “Aonde quer que fores, irei eu e, onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus” (Rute 1:16 ARA). As palavras são faladas pela esposa ao seu marido. É um belo sentimento, que todo marido se alegraria em ouvir sua esposa pronunciar. Mas Rute não falou estas palavras para Boaz. Ela as falou para Noemi, sua sogra! Ler estas palavras em um casamento é distorcê-las de seu contexto. Fazer tal coisa pode até ser por uma boa causa, uma expressão de um sentimento romântico, mas ainda assim é uma distorção das Escrituras.

***
Autor: Daniel Wallace
Fonte: Bible.org 
Tradução: Marcelo Berti
Leia Mais ►

domingo, 20 de março de 2016

O verdadeiro significado de Tradição Apostólica

Será que o Sola Scriptura requer que acreditemos na existência de uma “tradição” (ou “regra de fé”) a qual devemos apelar para ter a interpretação correta da Bíblia?
Não há dúvidas de que os escritores cristãos primitivos utilizavam esse termo, e muitos são rápidos em usar esse fato com alegria. Mas quando examinamos o seu significado, descobrimos que a maioria das referências são destinadas ou a um esboço fundamental das crenças cristãs sobre Deus e Cristo, ou a crenças sobre práticas e ritos que não eram doutrinários ou dogmáticos por natureza. Ireneu definiu “tradição” nos seguintes termos:
Todos esses declararam que existe um Deus, criador dos céus e da terra, anunciado pela lei e pelos profetas; e um Cristo, o Filho de Deus. Se alguém não concorda com essas verdades, esse alguém despreza os companheiros do Senhor; mais ainda, despreza o próprio Cristo, Senhor; sim, despreza também o Pai, e permanece auto-condenado, resistindo e opondo sua própria salvação, como é o caso de todos os hereges. (Alexander Roberts e James Donaldson, The Ante-Nicene Fathers, 1:414-415)
Obviamente, o conteúdo dessa “tradição” não é extra-bíblico: as Escrituras claramente ensinam essas coisas. Tertuliano, mais tarde, deu uma versão expandida:
Agora, no que diz respeito a esta regra de fé (para que possamos, a partir deste ponto, reconhecer o que é que defendemos), você deve saber aquilo que prescreve a crença de que existe um só Deus, e que Ele não é outro senão o Criador do mundo, que produziu todas as coisas a partir do nada por meio de Sua própria Palavra; que essa Palavra é chamada de Seu Filho, e, sob o nome de Deus, foi visto em diversas maneiras pelos patriarcas, ouvido durante todas as épocas pelos profetas, enfim levado pelo Espírito e pelo poder do Pai para a Virgem Maria, se fazendo carne em seu ventre, e, tendo nascido dela, se revelando como Jesus Cristo; daí em diante Ele pregou a nova lei e a nova promessa do reino dos céus, operou milagres; tendo sido crucificado, ressuscitou ao terceiro dia; tendo subido aos céus, Ele sentou-se à direita do Pai; enviou, ao invés de si mesmo, o poder do Espírito Santo para liderar os que crêem; virá com glória para levar os santos ao gozo da vida eterna e das promessas celestiais, e para condenar os ímpios ao fogo eterno, após a ressurreição de ambas essas classes ter acontecido, em conjunto com a restauração de sua carne. Esta regra, como será provado, foi ensinada por Cristo, e não levanta entre nós qualquer questão além daquelas que as heresias introduzem, e que fazem os homens hereges. (Tertuliano, Prescrição contra os hereges, 13)
Mas, novamente, tudo isso pode ser derivado a partir do texto inspirado e não existe como uma revelação separada das Escrituras. Se quando alguém fala de “tradição apostólica” e de “interpretar as Escrituras sob a luz da regra de fé”, tudo o que esse alguém quer dizer é que existem certas coisas inegociáveis que são fundamentais para uma compreensão adequada da Palavra de Deus e da fé cristã, dificilmente existirá alguma discussão. Tudo o que se precisa fazer para enxergar essa verdade é notar as relativamente poucas tentativas feitas pelos estudiosos mórmons para fornecer comentários exegéticos sobre os textos das Escrituras, especialmente a literatura neo-testamentária, e a impossibilidade de realizar tal tarefa sob a luz do politeísmo. Deve-se entender os esboços mais básicos da verdade cristã para investigar mais profundamente a revelação das Escrituras, e se alguém começa com erros nesse ponto, os esforços restantes serão em vão. Se isso é tudo o que alguém quer dizer por “regra de fé”, então isso é completamente compreensível.

Na verdade, poderíamos dar um passo adiante e dizer que a regra de fé representa o resumo da doutrina apostólica que existiu até mesmo durante a época em que os documentos do Novo Testamento estavam sendo escritos. Essa regra de fé coincide com o texto pela razão óbvia de que os apóstolos foram os autores de ambos, apesar de termos que notar que seus testemunhos registrados nas Escrituras são mais claros (e mais específicos) que a regra de fé. É eminentemente lógico assumir que a medida em que o Novo Testamento estava sendo escrito, um resumo da verdade cristã já era conhecido e já circulava entre as igrejas; no entanto, é aqui que vemos novamente a sabedoria de Deus nos meios que Ele usa para conceder as Escrituras. Em contraste com a confiança e a verificabilidade dos manuscritos bíblicos escritos, a transmissão oral da tradição é inerentemente sujeita à corrupção (e essa acontece muito rápido).

Em particular, um exemplo impressionante disso é fornecido naquilo que pode muito bem ser a primeira instância documentada de um escritor cristão especificamente afirmando ter informação proveniente não das Escrituras mas via “tradição” oral dos apóstolos. Quando Ireneu procurava refutar os argumentos gnósticos do segundo século, ele fez uma referência a um elemento particular de um de seus (dos gnósticos) argumentos, e, sendo bem franco, ele se perdeu por completo. O argumento dos gnósticos era irrelevante, e sua resposta foi errante; ao tentar refutá-los, Ireneu postulou que Jesus tinha mais de cinquenta anos quando Ele morreu no Calvário; ele também afirmou que como Cristo veio salvar tanto bebês quanto crianças, jovens, adultos e velhos, então Ele também tinha que passar por todos esses estágios da vida. Como Ireneu pode demonstrar que Jesus tinha essa idade ao morrer na cruz? Insistindo que ele havia sido informado disso por aqueles que conheciam os apóstolos:
Todos estão de acordo que trinta anos é a idade de homem ainda jovem, idade que se estende até aos quarenta; dos quarenta aos cinqüenta declina na senilidade. Era nesta idade que nosso Senhor ensinava, como o atesta o Evangelho e todos os presbíteros da Ásia que se reuniram em volta de João, o discípulo do Senhor, que ficou com eles até os tempos de Trajano, afirmam que João lhes transmitiu esta tradição. Alguns destes presbíteros que viram não somente João, mas também outros apóstolos e os ouviram dizer as mesmas coisas, testemunham isso tudo. Em quero mais devemos acreditar: nestes presbíteros ou em Ptolomeu, que nunca viu os apóstolos e sequer em sonhos seguiu algum deles? (Ireneu, Contra Heresias, 2:22:5)
Note o que Ireneu afirma, pois a história da igreja está cheia desse tipo de erro. Não existe razão textual alguma para acreditar que Jesus tinha mais de cinquenta anos de idade, ainda assim Ireneu afirma “o Evangelho” como parte dos fundamentos de sua compreensão. Ele rapidamente põe mais peso ao dizer “e todos os anciãos”. Ele apoia essa afirmação ao insistir que “todos os presbíteros da Ásia que se reuniram em volta de João, o discípulo do Senhor”, transmitiram essa informação, mas como isso não parecia ser o suficiente, ele expande a alegação até João, de forma que esse conceito da idade Jesus seja creditado como vindo “também dos outros apóstolos. Ireneu escreveu dentro de um século depois da morte de João, ainda assim será que hoje alguém acredita que não apenas João mas o resto dos apóstolos ensinaram a seus seguidores que Jesus estava em Sua sexta década de vida quando Ele morreu? Ninguém acredita nos argumentos de Ireneu, pois eles não são fundamentados textualmente; no entanto, não acreditar nisso significa ou que Ireneu estava mentindo quando escreveu essas palavras ou que a “tradição oral” pode ser corrompida muito rapidamente.

Duas lições podem ser aprendidas com Ireneu nesse ponto.

Primeiro, em referência à ideia de que existe uma “regra de fé” originada nos apóstolos, as únicas bases possíveis para aceitar tal conceito seria primeiro vê-lo como meramente um resumo dos ensinamentos apostólicos, e nós obteríamos esse resumo através de todo o espectro dos escritos cristãos primitivos, não de uma fonte em particular. Isso é basicamente o que observamos; os exemplos mais antigos são bem básicos, breves, e com o tempo vão se expandindo. Obviamente, essas expansões estão sujeitas a suspeita, mas também vemos uma preocupação que essa regra de fé vem de todo o espectro das igrejas antigas, não apenas de uma única igreja ou de um único grupo de igrejas. Quanto mais amplo o testemunho, mais sólida é a fundação sobre a qual a regra de fé está.

Segundo, parece impossível evitar a conclusão de que se uma suposta tradição apostólica pode ser corrompida em menos de um século, como podemos levar a sério as afirmações de Roma de que seus dogmas marianos, e em particular crenças como a Imaculada Conceição e Assunção Corporal (crenças que por séculos sequer foram mencionadas em suas formas modernas na história de igreja e que não foram definidas dogmaticamente até poucos anos atrás) são realmente apostólicas em sua origem e forma? Certamente, para alguém ter qualquer base significativa para chamá-las de “apostólicas”, esse alguém deve ver esses dogmas como revelação divina de mesma categoria das Escrituras.
____________
Fonte: James White, Scripture Alone, Capítulo 9.
Tradução: Erving Ximendes
Foto: Ícone que descreve o Primeiro Concílio de Niceia.
Leia Mais ►

Cristo no Deserto



Terceira palestra proferida no XXIV Simpósio Reformado Os Puritanos 2015Dr. Cliff Blair — terça-feira, 30 de julho de 2015.
Leia Mais ►

sábado, 19 de março de 2016

Você anda ocupado demais para orar?

Passamos o ano inteiro com uma vida ocupada demais. Corremos a partir do momento que acordamos até o momento de nos jogarmos na cama à noite. Mas e quando chegam finalmente as férias? Ficamos inundados de planos sobre o que fazer...

Em Marcos, capítulo 1, Jesus estava ocupado. Ele tinha toda a cidade em sua porta querendo algo dele. Ele curou a sogra de Pedro que estava doente... Então, quando chegou a tarde e o sol estava se pondo, pessoas endemoninhadas, doentes e oprimidos foram trazidos a ele. Logo, a Bíblia diz, “toda a cidade estava reunida na sua porta!” Você pode imaginar alguém tão ocupado? Ele foi inundado de afazeres! Ele iria passar boa parte daquela noite curando os doentes, expulsando demônios, libertando os oprimidos...

Mas o que me impressiona é o que diz o versículo seguinte. "E, levantando muito cedo pela manhã, quando ainda estava escuro, saiu, e foi para um lugar deserto, e ali orava." (Marcos 1:35)

Após a sua longa e ocupada noite caótica, Jesus não dormiu até mais tarde e acordou pulando da cama com pressa e atrasado para outros compromissos. Em vez disso, ele acordou cedo para restaurar e renovar sua alma através da comunhão com Deus, o Pai, em oração. Ele encontrou sua alegria e força em estar com Deus em oração. A oração era o seu combustível para sua vida e ministério. Em um certo momento ele disse, "Eu só faço o que eu vejo o meu Pai fazer." Sua vida não foi impulsionado pela correria que caracteriza a vida de tantos hoje, mas por sua relação com Deus Pai.

Há tantas implicações neste texto para nós hoje. Olhe alguns:

Em primeiro lugar, não somos condenados por nossa incapacidade de ter a vida de oração que devíamos ter. Felizmente, Jesus não é apenas o nosso exemplo, mas também nosso Salvador. Sua morte pagou por nossa incapacidade de fazer o que Deus deseja da forma e com toda a intensidade como devia ser feita. E pela fé, Sua vida perfeita é creditada a nós e é a base de como Deus vê e se relaciona conosco como cristãos. Deus não está apontando o dedo e nos condenando, mas sim, Ele está nos convidando, como Seus filhos, para ficarmos com Ele mais e mais.

Em segundo lugar, se Jesus precisava de oração, como nós precisaríamos de menos do que Ele? Que tolice pensar que podemos funcionar sem nos conectarmos em profunda comunhão com Deus em oração? Ele era o Filho de Deus sem pecado, e ainda assim, sabia da Sua profunda necessidade de comunhão com Deus Pai em oração. Quanto mais nós que estão quebrados precisamos disso? Não fomos feitos para lidar com a vida em nosso próprio termo e em nossa própria força à parte de Deus, mas sim com Deus e com a força que Ele oferece e opera em nós.

Em terceiro lugar, a oração da manhã muda a forma como você se envolve no seu dia. Na parte da manhã, com Deus, Ele nos lembra que não somos definidos por nosso trabalho ou nossas realizações ou fracassos... Nosso valor não vem do nosso desempenho. Na parte da manhã, antes de ter feito qualquer coisa, somos lembrados de que somos filhos de Deus. Nossa vida pode estar ocupada, mas nossos corações não tem que estar. Oração de manhã, onde Deus se encontra conosco como nosso Pai, nos permite envolver e receber tudo em nosso dia, como um dom a ser usado para a glória de Deus, em vez de ser uma perseguição imprudente por aceitação, conquista, identidade e reconhecimento no mundo.

Em quarto lugar, a oração é sobre um relacionamento com Deus. Qualquer bom relacionamento requer comunicação e bom tempo juntos. Quando nos levantamos para orar e estar com Deus, isso promove e fortalece essa relação com Ele. Apenas isso demonstra que a coisa mais importante em nossas vidas ocupadas é Ele. Quando nos encontrarmos com Deus, não temos que ter todas as palavras certas (devíamos ter), ou dizer todas as coisas certas (devíamos poder dizer). Por causa do que Cristo fez por nós, nós podemos vir e nos sentar na presença de Deus e desfrutá-Lo, com palavras ou com o silêncio. De qualquer forma, estar totalmente presente com o Salvador vivo, constrói o nosso relacionamento com Ele e deixa claro a prioridade de nosso dia.
_____________
Leia Mais ►
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...